segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Segunda Ponte de Foz: Projeto pode ser derrubado!





Parte I
Essa postagem é muito complicada. Ela fala do aglomerado de projetos que há para a
região do Marco das Três Fronteiras em Foz do Iguaçu. O pivô é a segunda ponte entre Brasil e Paraguai mostrada na foto acima que eu retirei do Blog da Soraia uma brasileira "floridiana" que escreve de Miami, Flórida, Cuba, perdão Estados Unidos. Creio que a Soraia é brasieira. Ttenho certeza que ela não é Seminole do Everglades. A novela é a segunda ponte Brasil-Paraguai. Dizem que está tudo certo para que ela aconteça financiada por uma piada chamada Programa de Aceleração do Crescimento (na minha visão só uma coisa acelera o crescimento no mundo orgânico, o câncer). Bem deixa prá lá. Está quase certo que a Ponte saírá próximo ao Marco das Três Fronteiras unindo o bairro iguaçuense do Porto Meira à cidade alto-paranaense paraguaia de Presidente Manuel Franco. Eu timha entendido que a Ponte para a cidade de Presidente Franco era caso de vida ou morte. "Franco" já foi a cidade mais importante nas Três Fronteiras. Os mais antigos e os mais beligerantes afirmam que as três cidades das Três Fronteiras eram Franco-Foz e Puerto Iguazu. Ciudad del Este entrou de gaiata e que, como crime principal, transformou Franco em uma cidade dormitório. A ponte entre o Porto Meira e Franco seria o passapoorte para sair da miséria. Este é a Parte I.

Parte II

A Parte dois ou segundo ingrediente se chama: Nilso Rafagnin arquiteto brasileiro casado com uma arquiteta paraguaia. Na 4ª Conferência Municipal da Cidade, reunião que discutiu a cidades realizada em Foz, Rafagnin conseguiu passar ou aprovar um documento (imagem acima) que condena o projeto de fazer a segunda ponte no local que o Governo Federal pretende. Há abetura para abaixo assinado e impugnação da obra etc. O arquiteto considera que o local onde estão os Marcos das Três Fronteiras merece muito mais e que é o local ideal para um parque tri-nacional e coisa tri-maior. O projeto de Nilson Rafagnin não pede uma ponte. Pede duas. Uma entre Brasil e Paraguai. E outra entre Paraguai e Argentina. A ponte brasileira dessa dupla estaria localizada logo abaixo da Itaipu Binacional. Ela passaria próxima à montanha mais alta que há em Foz do Iguaçu chamada de Aterro Sanitário cujo apelido é "lixão" e dentro do raio de visão da Hidrelétrica de Acaray, Paraguai. A Ponte Argentina ficaria quilômetros mais abaixo do Marco (Hito) de las Tres Fronteras, Argentina. Entre as pontes, ou seja as pontes formariam os extremos de um "Anel Viário" unindo os três países. Para Rafagnin, o trânsito pesado de caminhões, carretas, carros de boi, trem seria desviado para aa pontes e deixaria a região turística livre para projetos turísticos, paisagísticos etc para ajudar a realizar o papel turístico da cidade. Etc e dentengo-rengo-tengo!*

A região dos Marcos das Três Fronteiras seria uma região turistica por excelência. E o que arquiteto Rafagnin arqui-projetou para a região? Um Tri-teleférico que unisse os três países. A idéia é velha como voce pode ver na reprodução amarelada de um artigo publicadao na Gazeta do Iguaçu em 1990. Eu perguntei ao Rafagnin, que é meu amigo, e com quem tenho liberdade: muito bem, mas você já foi a Franco perguntar ao prefeito de lá o que ele acharia de perder "A" Ponte? Ele me disse que ja tinha começado a vender a idéia ao prefeito e aos franqueños!

Parte III
Os projetos para a região são interessantes. Exemplo: vai passar trem atravessando a Avenida das Cataratas! Imaginem os acidentes entre trens, carretas, turistas e iguaçuenses! O trem deverá ir até o Marco das Três Fronteiras. No Marco das Três Fronteiras haverá uma torre de 100 metros. E onde ficará o pátio de manobra para os trens? E haverá um porto para carga e descarga de cereais. No lado de lá da fronteira no Paraguai ja há um silo para depósito de cereal e porto de emabarque de cereais para exportação. De vez enquando já há balsas que deixam vazar óleo. Do lado brasileiro , há o Espaço das Américas e o sofrido espaço do Recanto das Três Fronteiras. NO lado argentino está havendo uma ocupação hoteleira interessante. Jogo isso no ar na esperança de que as partes se choquem, melhor se sentem, para discutir de uma vez. Lembro que já houve projeto para um parque mineral de exploração de pedras preciosas. Já houve loteamento. Assim creio que é hora de definir tudo isso. A cidade não pode ficar tão apática e não se meter nessa. Claro que há gente que diga que o Rafagnin em questão está só pensando no dele. É possível. Mas, vamos jogar esse assunto no ventilador de uma vez?!

3 comentários:

diogene disse...

acredito eu que esta nova ponte e um desperdicio de dinheiro. Pois se um dia a receita acabar com o contrabando a primeira ponte so vai nescessitar de uma reforma e assim ela vai sobrar.Nao fluxo normal para duas pontes so aumenta despesas. Cai na real.

Anônimo disse...

Que viagem...muita maconha estragada foi fumada para escrever isso aí... primeiro chamando o PAC de piada... será piada a obra "pequena" de transposição do São FRancisco? Pois é... acredito que tudo o que beneficie Foz do Iguaçu é bom, mas me parece que a cidade vive um quanto pior melhor...

Jackson Lima disse...

Oi anônimo, os leitores do Blog podem dizer tudo o que desejarem desde que não viole a lei, entre elas, o famoso "é vedado o anoniato". Vc devia ter colocado seu nome. Sobre a maconha, não farei comentário, é ilegal. Sobre meu direito de achar o PAC uma piada, eu tenho. O "passeio" do Rio São Francisco para mim é uma piada de péssimo gosto e é possível que nem eu nem você tenhamos tempo para ver os resultados eco-ambientais da "transposição". Penso, enquanto escrevo, mo Mar de Aral, no sistema Everglades da Florida e o rio Kissimee e mais perto da gente no rio Pilcomayo entre Paraguai e Argentina. Não gosto da transposição. Nasci a 100km da boca do rio S. Francisco e ele já está muito sofrido. É só aguardar para ver. limajac@gmail.com

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Hora no Paraguai incluindo CDE

Hora Mundial: passe o mouse sobre o mapa para escolher região