quinta-feira, 30 de abril de 2009

Quem foi Victoria Aguirre? Além de ser nome de avenida em Puerto Iguazú



Fonte das fotos: genealogia familiar


O nome completo é Vicoria Aguirre Anchorena. Nasceu em Buenos Aires em no dia 13 de janeiro de 1860. A avenida principal de Puerto Iguazú se chama Victoria Aguirre. É a avenida que liga o centro da cidade ao Aeroporto e às Cataratas do Iguaçu pelo menos até certa altura. Por que até certa altura? Porque a avenida logo passa a ser a Rodovia (Ruta) Nacional 12 (RA 12). E o que fez Victoria Aguirre para merecer a homenagem? Ela estava entre os [influentes] passageiros do primeiro barco que veio a de Buenos Aires a Puerto Iguazú trazendo autoridades, empresários, alguns políticos para verem as Cataratas (pelo lado argentino). Victoria Aguirre, teve que regressar a Buenos Aires sem ver as Cataratas e por um único motivo: não havia estrada ou caminho que ligasse o "porto" às Cataratas. Foi aí que Victoria Aguirre fez o que assegurou o seu direioto de ser lembrada eternamente em Puerto Iguazu, Foz do Iguaçu e na Tri-Fron inteira. Doou uma certa quantia para a abertura de uma picada que levasse às Cataratas del Iguazú.

Victoria Aguirre era poeta (há quem não goste que diga poetisa) e era de família abastada. Ela doou muito dinheiro para uma série de instituições e pessoas na Argentina. Na lista há escolas, asilos e hospitales; artistas e universitários, instituições religiosas, culturais, científicas e esportivas,maternidade, colonias de férias,laboratórios e bibliotecas. Ela também bancou expedições e contribuiu para obras públicas para o bem comum como a "picada" para as Cataratas. Entre os museus que ela ajudou estão o Museu Histórico de Luján; Museu Etnográfico de la Faculdade de Filosofía e Letras de Buenos Aires e o Museu Arqueológico de Lima. Ela morreu no dia 16 de março de 1927. Porto Iguaçu foi chamado de Porto Aguirre por um certo período de tempo.

Informações de
Carlos F. Ibarguren Aguirre

Audiência Pública: "Trade" e ambientalistas discutem PNI



Reproduzo aqui, matéria e foto da Audiência Pública convocada para discutir problemas entre comunidade e Parque Nacional produzidas pela Câmara Municipal de Foz do Iguaçu.


Centenas de autoridades do trade turístico e ambientalistas de Foz do Iguaçu estiveram reunidas na noite da última segunda-feira, dia 27, na Câmara Municipal de Foz do Iguaçu. O motivo que levou tantos cidadãos à Câmara foi à audiência pública para debater o Parque Nacional do Iguaçu, requerida pelo presidente da Casa de Leis, Carlos Juliano Budel (PSDB).

No requerimento do presidente, aprovado por unanimidade pelos vereadores, ele justificou que a morte da onça pintada, atropelada na madrugada de sábado, dia 28 de marca, na BR 469, rodovia de acesso às Cataratas do Iguaçu, suscitou inquietações e debates na comunidade e que a audiência pública foi necessária justamente para diminuir a tensão. “Esta audiência pública tem como objetivo aproximar a população iguaçuense do Parque Nacional do Iguaçu. A população iguaçuense exige uma rediscussão do Plano de Manejo e uma participação efetiva em sua elaboração e controle de sua efetiva execução”, afirmou o presidente.

Iniciada às 19h, compuseram a mesa da audiência pública, o presidente Carlos Juliano Budel; o chefe do PNI, Jorge Pergoraro; o secretário de turismo, Felipe Gonzalez; o comandante da Força Verde, capitão Valdecir Gonçalves Capelli; o presidente do Conselho Municipal de Turismo, Paulo Angeli; e os vereadores Hermógenes de Oliveira (PMDB), Edson ‘Narizão’ (DEM), Luiz Queiroga (DEM), Nilton Bobato (PCdoB), Paulo Rubio (PDT) e Sergio Beltrame (PMDB).

Alto nível

A proibição de veículos ‘particulares’ entrarem no Parque Nacional do Iguaçu foi o grande tema em torno do amplo debate entre o trade e o Instituto Chico Mendes, responsável pela manutenção da unidade de conservação.
Na noite de segunda-feira, durante a audiência, o nível da discussão foi alto, com muitas propostas e concordâncias entre os presentes. Os representantes do trade, como Julio Cesar Rodrigues (ATRIFI); Jacobo Schneider (AGETURFI); Plínio Scappini (SINDETUR); Moreno dos Santos Machado (COOTRAFOZ); Renato Kleine Ribeiro (Gulliver Brasil); Pedro dos Santos (Instituto Katana); Alexandre Cabral (Guia de turismo); Alceu Moreira (cidadão comum); Jurandir de Moura (Conselho Posto de Saúde São João); Kátia Schmidt (UMAMFI); Alisson Calóri (Gulliver Turismo); e Maria Tereza (cidadã comum), Raby Kalil (Adere Foz); Jussimar Aguire (Adere Foz) defenderam que a proibição não deve acontecer de forma alguma, e que o transporte dentro do Parque Nacional não pode ser explorado apenas por uma empresa, principalmente sendo ela estrangeira.

O trade enfatizou que existem outras formas de preservar o meio ambiente, além da proibição. Segundo os representantes do setor, o mais interessante seria a colocação de lombadas normais e eletrônicas, câmeras e redutores de velocidade no perímetro da BR 469, localizada no interior do Parque. Os trabalhadores do turismo disseram que a medida de proibir vai gerar um caos econômico e social e por isso, é necessário que o Instituto Chico Mendes encontro outra solução. “Gostaríamos de dizer que também ficamos chocados com a morte da onça, mas toda uma categoria não pode ser punida pelo erro de uma pessoa. A solução não é proibir e sim achar um mecanismo que evite acidente e atenda os milhões de turistas que visitam a cidade”, disse Paulo Angeli, presidente do COMTUR.

Já o ambientalista Francisco Amarilla; o professor e biólogo Joaquim Buchain e jornalista Jackson Lima defenderam que a solução é o desenvolvimento sustentável, ou seja, é necessário achar uma solução que não prejudique a natureza e nem o desenvolvimento econômico. Segundo eles, o debate deve ser ampliado e a participação dos segmentos envolvidos na questão deve ser maior.

PNI

O chefe do Parque Nacional, Jorge Pergoraro, elogiou a iniciativa da presidência da Câmara em convocar a audiência pública e explicou todos os questionamentos propostos pelos participantes. Pergoraro ressaltou que sempre esteve em sintonia com as categorias envolvidas com o patrimônio natural da humanidade. “Nós sempre estivemos abertos ao diálogo e continuaremos assim. Todas as questões aqui colocadas serão analisadas e na medida do possível, vamos procurar aplicar as soluções para os problemas. Queremos conversar tanto a natureza, quanto o turismo”, disse.

Onça

A onça-pintada, também conhecida como jaguar, é uma espécie ameaçada de extinção. O macho adulto, em plena idade de reprodução, teria morrido na madrugada do dia 28 de março em decorrência de hemorragia causada pelo rompimento do baço e do fígado. Encontrado às margens da estrada, onde a velocidade máxima permitida é de 40 km/h, o animal pode ter sido arrastado do asfalto até a grama ou, machucado, se afastando sozinho na tentativa de fugir. Ambientalistas e biólogos acreditam que em toda a área de 185 mil hectares do Parque Nacional vivam apenas 10 onças pintadas. Segundo dados divulgados pela imprensa morrem atropelados cerca de 30 animais por ano na BR 469.

segunda-feira, 27 de abril de 2009

O Triste fim do Porto Fluvial General Meira


Até 1985, todo o trânsito e o tráfego entre Brasil e Argentina, acontecia pelo Porto Meira que fica, se você olhar para a foto, seguindo a estrada, continuação da Avenida General Meira, onde está a placa azul que diz: PORTO RIO IGUAÇU - EXTRAÇÃO DE AREIA.

O Porto de grande valor histórico para os dois países e principalmente para a "cultura do rio" local terminou assim, chamado "Porto Rio Iguaçu - Extração de Areia". O nome original, "Porto Meira" sumiu. O Porto que pertenceu à comunidade também sumiu. E por isso não tenho medo de dizer que 90% ou mais dos "iguaçuenses" nunca foram, nunca viram nem conhecem o Porto Meira.

Foz do Iguaçu! Foz do Iguaçu! Cidade que paga aluguel. Foz do Iguaçu não é dona de nada. A Itaipu - claro, não é dela. O Parque Nacional, não é dela! As Terras do Marco das Três Fronteiras não são dela. Só agora, um pedacinho da Terra do Marco é dela. É aquele que foi concessionado para a construção da Torre Giratória - e assim mesmo já deu rolo! De quem é o Porto Meira tão importante na história de Foz [representando o Brasil] com a Argentina? E o antigo Porto Oficial tão importante na história de Foz [representando o Brasil] com o Paraguai? Desde quando o Porto Meira é chamado de Porto do Rio Iguaçu? Ó como torcem a lingua!

domingo, 26 de abril de 2009

Placas velhas do Porto Meira no caminho ao Marco das Três Fronteiras



Segundo os Registros de Imóveis de números 25165 e 38132, como informa placa que um dia foi verde, branca ou marrom, a área pertence à Polícia Federal e é parte da segurança nacional. Embora a pobre placa não possa ter se livrado dos inúmeros tiros disparados contra sua integridade de ferro, ela está de pé e já é um patimônio da região. A placa informa ainda que é proibido caçar e pescar. Outra placa menor, indica, do alto de sua idade avançada, o caminho para a atração turística mais abandonada do Brasil, pelo menos em tudo que possa depender do Poder Público: o Marco das Três Fronteiras.

O Santuário do Parque Remador:



Cheguei ao Santuário do Parque Remador, na Avenida Morenita, já no final da tarde. Hoje é domingo, dia 26. Dia em que a comunidade que construiu e mantêm o Santuário se reúne para rezar o terço. Mas no dia 26 de outubro, a atividade é especial. Foi nesse dia que em 1993 ( se não me equivoco) uma menina de aproximadamente 13 anos voltava da escola e atravessava o "banhado" que havia no local e que hoje é ocupado pela lagoa do Parque Remador. De repente apareceu uma senhora que conversou com a menina e pediu que ela voltasse no dia seguinte. A menina chegou em casa e relatou o que viu aos familiares. Segundo o Sr. Benedito, que me recebeu no Santuário e me comentou sobre este acontecimento, a família ficou preocupada. No dia seguinte, os pais acompanharam a menina até o local do encontro. A senhora estava lá. A menina voltou a conversar com a senhora mas os familiares não conseguiam ver. A senhora se identificou como Santa Luzia.

Hoje o Santuário, chamado apenas de Gruta do Nascimento do Menino Jesus, é frequentado por pessoas da comunidade que se considera católica "conservadora" no sentido de acreditar nas instruções dadas pelas aparições de Santa Luzia e de Nossa Senhora mesmo quando a Igreja oficial não aceita. Toda pessoa que deseje participar nas atividades organizadas são bem-vindas.

Mesmo antes de ter contato com a comunidade, o Blog de Foz já recomenda a visita ao Santuário como uma das 133 Coisas a Fazer nas Três Fronteiras (TRI-Fron). Segundo o senhor Benedito, todo final de tarde há reza de terço, Ave Maria, Pai Nosso entre outras atividades cristãs.

Uma viagem ao Porto Meira: Marco das Três Fronteiras e Avenida Morenita


Apesar do avanço das construções esta paisagem ainda é muito bonita. Rio IGuaçu e Rio Paraná se encontram. Preste atenção na cor verde dos dois rios. O Iguaçu deveria ser "escuro" o Paraná, mais barrento

Embarquei com a minha família imediata, mulher e três filhos, no ônibus que faz a linha Interbairros. Destino: o Marco das Três Fronteiras. Descemos no terminal depois de atravessar a Região do Parque Imperatriz, Três Lagoas, Portal e Morumbi, Jardim São Paulo, Vila Iolanda, Ouro Verde, Jardim das Flores e finalmente o ponto final na entrada da Rua das Três Fronteiras - ou algo parecido. É aquela entrada ao "Marco Brasileiro".

Dali, até o Marco fomos a pé. Eu tinha medo. A estrada que liga a Avenida General Meira ao Marco das Três Fronteiras e Espaço das Américas já teve muitos assaltos. Mas para minha tranquilidade, um guarda municipal patrulhava a estrada de moto. Passou por nós umas cinco vezez na ida e outro tanto na volta. Boa notícia. Foi bom conferir porque não faz muito tempo recebi um comentário no Blog sobre a melhora na segurança. Pelo menos ontem tudo ocorreu bem.

Como diz um estudo do Ipardes, o Marco das Três Fronteiras, lado brasileiro, "foi tirado da lista do turismo". Infelizmente, concordo. O que sobrevive é a resistência. Havia algumas pessoas, famílias e turistas em carros de serviço privativo. Havia, a maioria, em seus próprios veículos. No final da tarde, eis que desce um ônibus argentino - double deck lotado de turistas da terceira idade. Me lembrei dos anos de ouro, 1977 -1980, quando havia engarrafamento de ônibus para ver "os Três Marcos".

O Marco das Três Fronteiras está lá. O brasileiro olhando para o argentino e os dois olhando para o paraguaio. As obras da futura "Torrre das Américas" já estão em ruínas há tempo. Problemas! Mas todo mundo lá comentava sobre a torre. Ouvi dizer ali que ela teria 170 metros e seria a mais alta das Américas e que isso seria um cartão postal da cidade. Mas o meu sentimento é que tudo isso bem como tantas coias a mais que Foz do Iguaçu tem, já poderia ser melhor explorada.

Fui ao Espaço das Américas - ainda é bonito. Havia visitantes. O rio Iguaçu corria tranquilo lé embaixo com sua nova cor. Desde que as hidrelétricas seguram todo o sedimento que desce, o rio baixa filtrado. A água é esverdeada e não mais escura como era antigamente. No lado argentino, há obras novas. Destoando com o ambiente do entorno está aquele novo hotel e ao lado dele fizeram umas arquibancadas - chamam-na de anfiteatro. Minha mulher perguntou o que era aquilo. Eu disse que era um "arregaço" argentino. Lembro que o presidente Carlos Menem, touxe o arquiteto Carlos Paz Vilaró para que construisse um hotel no estilo Casa Pueblo de Punta del Este, Uruguai.

Daí, a pé, fomos para o Parque Remador que já foi alvo de várias postagens aqui. Eu queria ver o parque reativado. E foi. Nada especial. A biblioteca que havia, ainda não voltou a haver. O povo da vila, está pescando. Já lixo na água. Mas eu não fui lá para olhar isso. Eu fui lá para ver como estava o Santuário Católico que há anos está na minha lista de coisas recomendadas a quem vem à cidade. Conversei com o Sr. Benedito e a comunidade que construiu a Gruta do Nascimento do Menino Jesus e da Gloriosa Santa Luzia. E assim passamos a tarde. Agora é só planejar outra viagem em Foz para a semana que vem.

Fotos e detalhes nas próximas postagens!

quinta-feira, 23 de abril de 2009

Missa do 30° Dia para a onça e outras notas sobre o Parque Nacional do Iguaçu


Se ela fosse cristã ou se, pelo menos, fosse humana, já estaríamos nos preparando para a celebração da missa de 30º dia em memória de sua alma. Como ela não é humana e nem cristã, não estamos fazendo preparativos para lembrar a sua morte. O Blog de Foz não pode deixar que nem a onça e nem sua felina alma caia no esquecimento. A morte da probre onça já está sendo esquecida e pior, está sendo empurrada para debaixo do tapete. Estão induzindo sua morte ao esquecimento. Eu pelo menos já levantei que saiu a autópsia dela. A onça morreu de causa natural ou seja é natural que qualquer vivente com corpo carnoso morra naturalmente após ser atingida por objeto contundente. Contundente vem do verbo "contundir" que significa machucar ou ferir, segundo Silveira Bueno. Um martelo contunde, um carro contunde.

O importante é que alguém sabe como a onça morreu. Essas histórias virão à tona ao redor de mesas de bar, em mesas redondas e em circulos fechados. A cidade está cheia de boatos. Dizem até que houve uma festa no dia da morte da onça. É só a veriguar se houve algum aniversário na madrugada do dia 28/29. Essa pessoa que sabe como a onça morreu, é possuidor de um conhecimento incômodo. Onça tem alma no universo guarani e ela o estará esperando depois de sua última badalada respiratória.

Enquanto isso, o Parque Nacional do Iguaçu, ou melhor o Instituto Chico Mendes permitiu ou pelo menos deve ter concordado com certos vôo de helicópteros que foram realizados ou deveriam ter sido realizados nos dias 20 e 21 segundo o seguinte comunicado:

Prezados Clientes


Para fins de estudos de impactos ambientais, nos dia 20 e 21 de Abril de 2009, estaremos realizando os vôos panorâmicos somente no heliponto dentro do Parque Nacional do Iguaçu, ao lado do Restaurante Porto Canoas.
Para estes dois dias, os vôos terão a duração de 06 (seis) minutos, ao preço de R$ 150,00 (Cento e cinquenta reais) por pessoa.


Qualquer dúvida estamos à disposição.



Quer dizer, houve testes de impacto amnbiental pago pelos clientes no heliporto comercial que o Ibama (na época) garantiu ao Parque Nacional Iguazú que era um heliporto de apoio, técnico. Já viu? Em uma só postagem de blog consigo revelar duas mentiras.

Mas e se os vôos forem permitidos? Uma coisa eu digo, já que comecei a lavar minhas mãos: as Cataratas e a Natureza sabem se cuidar. Há ataques demais à integridade do mundo natural em nossa região: agrotóxicos, hidrelétricas, desvios de água, proposta misionera de retirar as Cataratas do Iguaçu do PN Iguazu, heliporto, canyoning, mentiras e muito mais. Disse o Pregador do Eclesiates (Bíblia): quem semeia vento, colherá tempestade!

Há mais uma só coisa: espero que a metodologia do estudo do impacto não tenha sido só "ambiental". O Plano de Manejo do Parque manda observar também o "imapacto à qualidade da visitação". Quer dizer o Plano de Manejo pensa no cliente das Cataratas. Um pensamento e tanto!

Iniciativa Nota 10: Ótica Rio instala elevador para cadeirantes em Foz.


A foto mostra o novo equipamento adquirido pela Ótica Rio, localizada na Rua Edmundo de Barros, 48, no centro de Foz do Iguaçu. É um elevador para pessoas que chegam em cadeiras de rodas. A ótica ocupa um prédio mais antigo cuja característrica principal é uma escada de pelos menos quatro o cinco lances. Não sei nada ainda sobre a motivação, idéias, custos, para que a loja tenha adotado este equipamento. Só sei que a iniciativa é altamente elogiável. Por isso, a iniciativa da ótica e de seu proprietário, Lourival A. Euggenio, passa a ser parte da Lista Iniciativa Nota 10 do Blog de Foz. No momento a lista tem duas iniciativas nessa categoria. Parabéns.
Confira a Iniciativa Nota n° 1

Aguardemos entrevista

quarta-feira, 22 de abril de 2009

Como está o Transporte Urbano de Foz? Pesquisa da Uniamérica vai dizer

Estudantes da Uniamérica estão fazendo uma pesquisa no Terminal de Transportes Urbanos (TTU) de Foz do Iguaçu. A pesquisa chamada "Logística e Segurança no Transporte Público" de Foz do Iguaçu quer saber a opinião do transporte público quanto a qualidade, problemas dos usuários entre eles a violência e outros problemas.

Uma das perguntas é: já presenciou assalto no ônibus? Até recentemente, eu responderia: NÂO. Mas infelizmente há uns dois meses, presenciei um assalto ao ônibus em que eu estava. Foi um assalto ao cobrador. Os passageiros foram poupados. Os resultados da pesquisa serão apresentados nas salas 8 e 9 da Uniamérica na quarta-feira, dia 20 de maio. Eu fui entrevistado no dia 18 de abril no TTU. Vou me organizar para que o Blog de Foz esteja lá.

terça-feira, 21 de abril de 2009

Ônibus para Buenos Aires com internet Wi-Fi


A empresa de ônibus intermunicipal e interprovincial argentina Tigre del Iguazú está anunciando um novo produto / serviço para seus passageiros. É o serviço de “internet inalámbrico” ou internet sem fio (wi-fi) em seus ônibus que fazem a linha Puerto Iguazú – Buenos Aires e vice-versa. O mercado dos ônibus é muito concorrido e cada empresa tenta adivinhar o que pode fazer para atrair e conquistar (fidelizar) clientes.

Já que estou falando da Tigre del Iguazú, empresa que pertence ao mesmo grupo da Via Bariloche, aproveito para divulgar os preços, horários e tipo de poltrona das duas empresas (Imagem acima) . Depois divulgarei informações similares de outras. Uma dica: o Terminal (Rodoviária) de Buenos Aires se chama Retiro. Ao comprar a passagem, pouca gente diz: “quero uma passagem para Buenos Aires”. A maioria diz “quero uma passagem para “RETIRO”. Se você diz, Buenos Aires em vez de RETIRO, você se entrega como “de fora” e imagine, se alguém decide cobrar mais?


Lista das cidades percorridas:
Puerto Iguazú, Puerto Esperanza, Eldorado, Montecarlo, Puerto Rico, Jardin América, San Ignácio, Posadas (Misiones termina aqui). San José, Virasoro, Santo Tomé, Alvear, Paso de los Libres (Corrientes), Gualeguaychú (Entre Rios), Zarate, Campana, General Pacheco, Liniers, RETIRO.

Tipo de poltronas: no Brasil temos ônibus convencionais, semi leito e leito etc. Na Argentina temos "semi cama", "cama", "cama ejecutivo" e "supercama".

Nota: Santo Tomé está ao lado de São Tome (RS) e Paso de los Libres, estão ao lado de Uruguaiana (RS). O Rio Uruguai separa as cidades. Os ônibus que vão para Buenos Aires não entram nessas cidades. Eles têm ponto de apoio em postos de combustíveis fora da cidade. Quem viaja para Buenos por esta rota tem a impressão de estar em um grande vazio. A partir de Posadas há outra estrada que passará por cidades grandes como Santa Fé e Paraná às margens do Rio Paraná.


Mais informação
www.tigreiguazu.com.ar
www.viabariloche.com.ar
Telefone em Puerto Iguazú: 424411

quinta-feira, 16 de abril de 2009

Câmara de Vereadores de Foz convoca Audiência Pública sobre o Parque Nacional do Iguaçu



Repasso aqui documentos da Câmara de Vereadores de Foz do Iguaçu convocando Audiência Pública para tratar de problemas no Parque Nacional do Iguaçu. Clique no documento para ler. Acompanhe os problemas no PNI que reacenderam após o atropelamento da onça antes da Semana Santa. Um dos problemas no Parque Nacional cuja administração é "dita" modelo para o Brasil, é que há vários pesos e muito mais medidas para diferentes interessados. Convites para a audiência estão sendo enviados.

terça-feira, 14 de abril de 2009

Lembrando o passado: o turismo e a ponte!



Em 1976, o guia de turismo Brigido da então Diplomata Turismo atendeu a um grupo familiar que depois da viagem enviou algumas fotos. O Brigido, que me forneceu algumas fotos, de alguma maneira, me permitiu compartilhar esse momento com você. O grupo familiar que veio de um lugar chamado Barra do Jacui, Jacu, ou Jaçuá aparece na Ponte da Amizade - então deserta e traquila. Aparece também com a famosa Veraneio da Diplomata Turismo (me lembro dela) na Sede do Parque Nacional do Iguaçu. Esta semana saiu a revista 100 Fronteiras onde eu tive mais uma vez a oportunidade de tratar de assuntos históricos. Este mês foi a Ponte da Amizade. Me senti feliz em poder honrar ao engenheiro autor do projeto da Ponte e ao conhecidíssimo topógrafo do DNER, Leodato Fernandes. Confira na Revista.

Iguaçu não significa somente Água Grande – que mais significa?


Foto de A.Zanella, mostra um "guaçu" na "água" (Guaçu + Y)


Essa não é a primeira vez que escrevo para dizer que a palavra “Iguaçu” é muito mais complexa do que parece. Basta fazer uma pequena pesquisa na internet para ver que centenas de textos vão dizer coisas como: “Iguaçu é uma palavra de origem tupi-guarani que significa água grande. I (Água)+ Guaçu (Grande).

A palavra “Guaçu” além de "grande" também significa “veado”. Não estou aqui questionando as diferentes grafias para tudo que é guarani (guaçu, guassu, guazu, guasu além de I, Y, Ih para "água"). Daí pergunto: como se diz veado grande? Simples! Veado grande se diz (em grafia paraguaia) Guazu guazu! A diferença vai estar no tom de voz ou na entonação que você der às duas palavras. Pode-se também notar que o segundo "guaçu" é diferente do primeiro pela presença de modificadores como etê, iterei que significam muito ou mui. Por exemplo “guaçu guaçu iterei” – o veado é muito grande.

Ainda devo dizer que “iguaçu” (Yguazu, Iguazu,Iguassu, Iguasu, Ihguasu) é muito mais que “água grande”. Significa também rio, lago, mar, represa qualquer coisa que tenha muita água ou água grande. Fácil, não? Mas eu não posso deixar a coisa permanecer tão fácil assim. Se “Y” é água e "Guasú" é grande, como você traduziria o nome da cidade paraguaia "Guazu Y”? Grande Água? Cai fora! Que tal água de veado? Estariam falando, por exemplo, de um pântano? De um pantanal? De uma água ou trajeto na água onde os veados atravessam. Lembre-se que no Brasil nós temos o veado pantaneiro que tem um corpo construído especialmente para "voar" em áreas alagadas. Então, deduzo que um habitat do veado pantaneiro é um verdadeiro "Guaçu Y". Yguaçu, Yguazu, Iguaçu pode significar ainda mais coisas. Mas deixemos isso para outra hora.

segunda-feira, 13 de abril de 2009

Associação de Moradores da Vila C Velha lamenta incendio na Escola Municipal Arnaldo Isidoro de Lima



Foto RPC/TV Cataratas. Texto abaixo do presidente da Associação de Moradores da Vila C Velha, Eraldo Magalhaes.




Um incêndio cujas causas oficiais ainda não foram esclarecidas destruiu completamente dois pavilhões de salas de aula da Escola Municipal Arnaldo Isidoro de Lima, na Vila “C” Velha. O fato ocorreu no final da tarde desta sexta-feira 10/04. Para controlar as chamas, soldados do Corpo de Bombeiros da Policia Militar e bombeiros da Itaipu Binacional, utilizaram quatro caminhões-hidrantes. Neste sábado 11/04 a divulgação nos meios de comunicação, tele jornais e outros veículos, ficou um tanto estranha a forma abordada.

Faltaram esclarecimentos aos não moradores do Bairro Vila C, principalmente que os pavilhões incendiados eram da antiga estrutura escolar construída pela Itaipu no tempo da construção da usina para atenter filhos de barrageiros que ali estudavam, era o antigo Colégio Anglo Americano. Na verdade a estrutura era antiga e estava sendo desmanchado para dar lugar ao nosso novo complexo escolar Arnaldo Isidoro de Lima, onde já temos construído a escola. O centro de convivência e a creche estão em construção.

No local destes pavilhões serão construídos, as piscinas, áreas esportivas e uma praça. Consolidando assim o maior investimento da prefeitura de Foz na nossa Vila C. O que esperamos é que a justiça faça sua parte e investigue se o incêndio foi criminal ou não e quem ou o que o provocou.

Entretanto não poderíamos deixar de lembrar a população de Foz, que graças ao prefeito Paulo Mac Donald, Jorge Samek, Itaipu Binacional e a nossa Associação de Moradores da Vila C Velha, Eraldo e Ederaldo Magalhães e diretoria, Conselho comunitário - Nenê, prof. Cledir, prof. Valter e tantas outras pessoas lutaram em prol dessa comunidade e que se dedicaram para conquistar este complexo educacional na Vila C.

Lembramos também que hoje segunda feira nossos alunos estarão estudando normalmente na nossa nova escola e que este incêndio em nada ira atrapalhar o rendimento escolar dos estudantes. A estrutura, claro, tinha o seu valor histórico, pois ali além do Colégio Anglo Americano já foi a Facisa , a primeira Faculdade da cidade e também por um tempo foi utilizado como Colégio Estadual Flávio Warken.

Fica a lembrança de um Colégio de madeira que já teve a sua contribuição importante para a nossa comunidade. Também vale lembrar que não foi a primeira vez que esta estrutura sofreu com um incêndio. Na década de 90 ocorreu um fato semelhante ao de sexta-feira, que terminou com a perca de dois pavilhões. Na época foi constatada pela perícia, problemas nas instalações elétricas.

Quero deixar claro o reconhecimento de que a estrutura já estava “condenada”. Porem, muitos materiais que estavam sendo retirados do antigo pavilhão seriam reutilizados em outras ações da Prefeitura. Hoje nosso bairro e nossa gente esta vivendo um tempo novo onde a esperança é a bússola que a ponta a direção de um bairro justo e fraterno para todos nós.

ERALDO MAGALHÃES
Presidente da Associação de Moradores da Vila C Velha

Realidade do Tratamento Turistico em Foz



Foto 1 Mostra crianca sendo transportada sobre o painel. A foto 2 mostra a falta de conforto. Clique na foto para vë-la em tamanho grande


As fotos acima e o texto abaixo me foram enviados hoje. O autor da foto via celular quer trazer a atencao o problema da superlotacao dos onibus que servem o Parque Nacional. Registro o pedido, publico a material e prometo voltar ao assunto.

Escrevo aos prezados colunistas para denunciar a realidade do tratamento oferecido
ao turista em Foz do Iguaçu. Em anexo seguem fotos tiradas de meu celular em um ônibus que voltava do Parque Nacional no feriado (10/04/09).

Como vocês podem ver o ônibus estava superlotado com um contigente estimado em 120 pessoas. Só na parte da frente pude contar 26 passageiros, onde um garoto viajava sentado em cima do painel. A desorganização e desconforto era geral.

Espero que possa vir das autoridades públicas e meios de comunicação uma matéria investigativa séria que possa explicitar ainda mais as condições gerais (precárias) oferecidas ao turista em nossa cidade.

terça-feira, 7 de abril de 2009

Região 12 ou Região Rural de Foz do Iguaçu (RRFI): Vamos conhecer a Foz do Iguaçu Rural

Sim Foz do Iguaçu tem uma Região Rural e ela é dividida em duas: a Região Norte e a Região Sul. Nós, da cidade, temos tendência a conhecer melhor a Região Sul.

Região Rural de Foz do Iguaçu Norte: Alto da Boa Vista, Imóvel Foz do Iguaçu II, Gleba Passo Cuê e a Vila Bananal.



Região Rural Sul: Lote Grande (Imóvel Alwin), Remanso Grande, Arroio Dourado, São João – Linha Keller, Sanga Funda - Aeroporto ( Imóvel Cataratas Glebas I, II, III), Área Conscienciológica / (Cognóplis), Aparecidinha (Imóvel Foz do Iguaçu I), Chácaras Natureza, Parque Nacional do Iguaçu, Imóvel Tamanduá e Imóvel Tamanduazinho

Já volto para ajeitar a postagem!

As 10 maiores Cataratas do Mundo, segundo o ListServ

(Foto Huangguoshu Da PuBu ou Grande Cataratas Huangguoshu / Wikipedia)

Olhe o que estou colocando aqui hoje! Nos meus blogs eu já tenho várias listas. Uma das principais é uma lista do que fazer na Região da Tri-Fron. Existe um site chamado List Serve que é especializado em listas. No mundo de fala e lenga-lenga inglês isso é muito comum. Veja a lista das 10 maiores Cataratas do Mundo – na realidade lista das 10 Cataratas que vão deixar você *sem fala. Como moro em Foz do Iguaçu e como você sabe que Foz do Iguaçu está ao lado das Cataratas do Iguaçu, tudo o que se refere a Cataratas me interessa. Veja a lista para auemntar a cultura cataratológica da Região. (A lista é de particular - não é oficial)


1. Cataratas do Iguaçu (Brasil / Argentina)
2. Niagara (EUA-Canadá)
3. Victoria (Zambia / Zambezi)
4. Dettifoss (Islândia)
5. Jog Falls (India)
6. Shoshone (EUA)
7. Gullfoss (Islândia)
8. Yosemite (EUA)
9. Angel (Venezuela)
10. Huangguoshu (China)

Nota: em inlgês a lista fala das 10 maiores * "awe-inspiring waterfalls". "Awe" significa "admiração" e que inspira / transmite algum espanto. A pronuncia de "awe" é "ó". Huangguoshu se escreve assim 黃果樹瀑布 no chinês tradicional. No chinês "aviadado" ou simplificado se escreve assim 黄果树瀑布. Huangguoshu significa [Cataratas da] Árvore do Fruto Amarelo.

Região 11 de Foz do Iguaçu ou Região do Carimã: conheça os bairros da R-11

Como todas as regiões de Foz do Iguaçu a Região 11 ou Região do Carimã leva o nome do bairro mais antigo ou mais conhecido da área em questão. O bairro que dá o nome à região é a Vila Carimã, à direita da Avenida das Cataratas, sentido Centro – Aerporto. Mas a região do Carimã inclui bairros e loteamentos nos dois lados da BR 277 a partir do Loteaneto Dona Amanda – aquele cuja entrada principal fica logo após a Danceteria Cristal. Logo abaixo do Hotel Mabu Thermas & Spa. Atrás desse bairro e atrás do Hotel Mabu passa o Córrego ou Rio Carimã que mais a frenta, já canalizado, atravessa a BR 469, a menor BR do Brasil e entra na propriedade do Hotel Carimã. O rio (Córrego) Carimã após passar por tantas coias "Carimã", desemboca no rio Iguaçu - é uma desembocadura silenciosa e quase invisível vito que a cidade está de costas para o rio. Entretanto, a região vai mais longe. Começa logo após a Ponte Internacional da Fraternidade ou Tancredo Neves, onde está o Jardim Comercial e Residencial Cataratas visto e acessível a partir da estrutura aduaneira-migratória, antes da cabeceira da Ponte da Argentina (como é chamada por nós localmente).

Porém quando se fala de Carimã o que vem à mente do iguaçuense é o Hotel Carimã comprado por Ermínio (Ermínio sem "H", diz ele) Gatti, um paulista, nos anos 70, ampliado, reformado até merecer título, que usou por muito tempo, de “o maior hotel do Estado do Paraná”. Quem veio primeiro? O Carimã hotel ou o Carimã bairro? Aqui na cidade e no âmbito do turismo, se diz que o hotel Carimã foi a primeira escola de guias de turismo e hotelaria do município. É como se pudesse dizer que todo mundo trabalhou lá. Até eu. Eu passei pelo Carimã onde fui guia de turismo e de onde guardo boas lembranças tanto de colegas como profissionais. Uma delas tem a ver com o tamanho do hotel. O hotel é tão grande que os corredores são chamados de ruas e espaços internos para descanso são chamados de praças. Me lembro de passar horas orientando “meus” turistas, a maioria estrangeiros, para que não se perdessem no hotel.

Última coisa: o que é Carimã? O Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa registra a palavra como sendo: 1) Farinha de mandioca seca e fina; 2) bolo feito de farinha de mandioca, 3) bolo feito com massa azeda de mandioca mole, seco ao sol. Há outros significados. Mas nenhum com o significado de “cacique” como eu dizia aos turistas na época. Esse bolo de faringa de mandioca azeda ainda é feito no Nordeste. E finalmente esta postagem conclui a listagem pura e simples das 11 Regiões Urbanas de Foz do Iguaçu. Volte a essas postagens pois a cobrtura do bairro ainda vai começar. Foz ainda tem mais uma Região. É 12ª mas essa é rural e muito interessante. Confira os Bairros da Região do Carimã ou Região 11 (R-11) de Foz do Iguaçu:

Loteamento João Gonçalves Batista, Condomínio Mata Verde, Jardim Novo Horizonte (Norte / Sul), Loeamento Dona Amanda, Vila Anita Garibaldi, Vila Carimã, Jardim Comercial e Residencial Cataratas e Loteamento Darcy Werner.

segunda-feira, 6 de abril de 2009

Esquema especial no Parque Nacional do Iguaçu no Feriado de Páscoa

Divulgo aqui nota que saiu no H2Foz sobre a estratpégia de recepção de visitantes às Cataratas durante os dias de pico da Semana Santa


O Parque Nacional do Iguaçu preparou um esquema de funcionamento no feriadão de Páscoa (10 a 12 de abril) para facilitar a estada de mais de 20 mil turistas que devem visitar, em especial, as Cataratas do Iguaçu.

O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade – ICMBio, órgão gestor da unidade federal, definiu junto à concessionária Cataratas do Iguaçu S/A, a logística de atendimento durante os três dias.

A empresa, responsável pela cobrança do ingresso e transporte no interior da unidade vai concentrar a recepção no Centro de Visitantes. No local os funcionários farão a orientação e organização da fila para compra de ingressos. Serão montadas duas bilheterias volantes junto às fixas existentes para atendimento ao público em geral.

Além disso, serão colocadas três bilheterias na área da sala de turismo, sendo duas no atendimento aos guias de turismo e outra para o Passe Comunidade e atendimento preferencial. Haverá ainda dois postos de atendimento à tripulação no desk de Informações.

Na Sexta-feira da Paixão (10) e no Sábado de Aleluia (11) o Parque abrirá uma hora mais cedo, funcionando das 8h às 17h. Nos dois dias haverá o reforço de 15 ônibus que auxiliarão os oito double-decks no transporte do visitante até às quedas. O último ônibus no sentido Cataratas/Centro de Visitantes sairá às 18h30 do Espaço Porto Canoas.

No Domingo de Páscoa (12) o atendimento no Parque volta a ser das 9h às 17h. A exceção será o apoio de mais três ônibus extras no reforço do transporte dos visitantes.

Movimento - O feriado da Semana Santa é considerado o de maior movimento no Parque Nacional do Iguaçu, com um fluxo bem acima da média diária, atraindo tanto o turista brasileiro como o estrangeiro, em especial o argentino. Nos três dias são aguardados mais de 20 mil visitantes que buscam a data para conhecer as Cataratas do Iguaçu. Em 2008 o feriado atraiu 20.816 visitantes com destaque para a Sexta-feira da Paixão com 10.466 entradas.

Mais informações:
Cataratas do Iguaçu S/A: (45) 3521-4400
Parque Nacional do Iguaçu: (45) 3521-8399

Semana Santa em Foz: eventos e celebrações

A Páscoa em Foz do Iguaçu: a Semana da Páscoa promete ser animada. Andando por aí descubro panfletos convidando os interessados para partciparem em eventos especiais. Não vou falar de eventos católicos porque os eventos da Igreja são conhecidos pela maioria. Destaco aqui alguns menos comhecidos. A Igreja Adventista do Sétimo Dia convida a todos os interessados para encontros diários entre os dias 05 e 12. A principal Igreja Adventista do Sétimo Dia em Foz fica na Avenida República Argentina, 552, próximo ao Zoológico Guarani e o Terminal de Transportes Urbanos (TTU).

Já as Testemunhas de Jeová convidam a todos para o Memorial da Morte de Jesus que acontecerá após o por do sol do dia 9 de abril (ver video convite). Em Foz o Memorial acontecerá em várias congregações diferentes. Recebi convite para a de Três Lagoas.

E eu? Onde estarei no dia 9 de abril? Resposta: na Cerimônia da água de Lua Cheia que acontecerá em uma chácara na Área (Região) Rural de Foz do Iguaçu. A cerimônia será dirigida por Celia Fenn da África do Sul, canal do Arcanjo Miguel e terá, este ano, a participação de Mohammad do Canadá. Será uma ocasião bonita. Ver detalhes Aqui.

Região 10 de Foz do Iguaçu: Região do Campos do Iguaçu.Conheça os bairros da R-10

A 10ª Região de Foz do Iguaçu leva o nome de um de seus bairros: o Campos do Iguaçu. Grandes avenidas de Foz integram a região. A Avenida Paraná ali no local onde ela se encontra com a BR 277, está na região 10. Está na região o setor de órgãos oficiais federais, estaduais – uma espécie de futuro Centro Cívico da cidade. Lá estão a nova Delegacia da Polícia Federal, o Fórum, o Núcleo Regional de Educação, Setor de Identificação do Paraná, o Detran. É a área “federal” de Foz do Iguaçu como chamei há certo tempo neste blog e que me fez receber um comentário muito bom de um cidadão que leu a postagem.

Seguindo a Avenida Paraná a região será delimitada pela Avenida Costa e Silva, subindo-a até o Hotel Recanto. A região se espalha também no triângulo entre a Avenida Costa e Silva e a Avenida República Argentina. Para quem trafega, caminha, pedala, corre no sentido Centro - Praça da Bíblia e Morumbi, o lado esquerdo da Avenida República Argentina é parte da Região do Grande Campos do Iguaçu. No lado esquerdo da avenida estão bairros como Jardim Manaus, Vila Militar e outros.

A TV Cataratas (RPC-Globo), a TV Naipi (Rede Massa / SBT), a TV Tarobá (Band) estão na Região 10. Outra avenida importante para a Região e para a cidade é a José Maria de Brito que leva à Rodoviária Internacional de Foz do Iguaçu – um importante equipamento logístico da cidade. Outra via importante que atravessa parte da região é a Avenida João Paulo II que ligará a Avenida Costa e Silva com a Avenida das Cataratas.

O bairro Campos do Iguaçu em si é pequeno. Se perde na região a que ele dá nome. Há poucos dias fui lá, procurando a Rua Javari. Parei no Jornal Primeira Linha do chargista e jornalista Francisco Heitor Fernandez, na Rua Amazonas esquina com a Rua Araguaia. No Campos do Iguaçu as ruas têm nomes de rios. E lá estão todos: Tietê, Mamoré, Trombetas, Jacuí, Paraopeba, Juruá, Tocantins e até os rios iguaçuenses Tamanduazinho e Mboicy estão lá eternizados em pedras poliédricas. No jornal, me ensinaram como chegar à rua Javari depois da Juruá e da Japurá.

Mas como disse antes o Campos do Iguaçu como nome de região da cidade acomoda muitos nomes: Alto São Francisco e Pólo Centro, creio que o Cataratas JL Shopping está no Alto São Francisco e por que Pólo Centro? E Santos Guglielmi? E Jardim Cláudia? Que foi Cláudia? E que história tem o Jardim Langwinski. Aos poucos vou caçando coisas desses bairros.

Uma lista dos bairros:

Imovel Acaraizinho, Jardim Acaray, Jardim Alice, Jardim Alice II, Alto São Francisco, Loteamento Amauri Rainho, Jardim Amazonas, Beverly Falls Park, Loteamento Campos do Iguaçu, Loteamento Jardim Capuccino, Condomínio Fechado Residencial Castel Franco, Jardim Claudia, Campos do Iguaçu II (Cohapar II), Vila CR-I,Imóvel Edmundo Weirich, Jardim Itamaraty, Condomínio Horizontal Fechado Izadora Residencial Park, Loteamento Pólo Centro, Imóvel Sotelo, Loteamento Santos Colombelli, Jardim Lagwinslki,Jardim Manaus, Vila Militar, Libra, Linbra II, Libra III, Libra IV, Parque Presidente, Liberdade II

sábado, 4 de abril de 2009

Morte da Onça. Crise em Foz: Comentário importante da ADERE

Republico comentário de Raby Khalil da ADERE, entidade eco-esportiva-ambiental de Foz do Iguaçu. Como ela foi postada sob uma nota ligada ao problema do diploma no jornalismo, portanto, podendo não ser vista, dou-lhe divulgação aqui. Leia!

Bom dia, Jackson Lima
Sou da ADERE, gostaria de ratificar que nossa manifestação Pacifica realizada ontem na entrada do Parque, visa a preservação da biodiversidade e do desenvolvimento sustentável, ou seja, a morte do ícone do parque Nacional a onça pintada, apenas atenua que é chegado o momento de se repensar o formato do desenvolvimento sustentável, o mundo caminha em permanente mutação e globalização.
A força motriz do Turismo Iguaçuense é sem duvida o Parque Nacinal do Iguaçu. Portanto como já disse é passado o momento de se repensar no desenvolvimento sustentável em função do Parque. Estaremos atentos aos acontecimentos e as ações tomadas em virtude do últimos acontecimentos.

Atenciosamente,

Raby Khalil.
Foz do Iguaçu, 03 de abril de 2009.

Nota do blog-editor:
Obrigado Khalil, por participar.
Você também pode mandar opinião, comentar, mandar o que quizer. Só faça como o Khalil, mesmo que a postagem entre no sistema como "anônima", coloque seu nome embaixo. Por quê? Simples: a Constituição Brasileira garante a liberdade de expressão mas veta o anonimato.
Artigo IV - "é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato"
A Constituição é o Plano de Manejo do Brasil! Abraço!
Saiba mais sobre o anonimato, o sigilo e outra coisas.

quinta-feira, 2 de abril de 2009

Supremo adia julgamento do caso dos diplomas de jornalismo


O julgamento do Recurso Extraordinário RE 511961, que questiona a exigência de diploma em Jornalismo como requisito para o exercício da profissão, foi adiado. Para a FENAJ o adiamento foi positivo. A Executiva da entidade e a Coordenação da Campanha em Defesa do Diploma vão se reunir para traçar novas estratégias de continuidade do movimento.

Leia mais

Morte da Onça no Parque Nacional do Iguaçu: caçada à bruxas e mudanças



Fotos: (Superior: de verde à direita, Ricardo Soavinski, Diretor de Ecossistema do Instituto Chico Mendes. De camisa branca, à esquerda, Jorge Pegoraro, diretor e segurador-de-peteca do Parque Nacional do Iguaçu com assento em Foz do Iguaçu. No meio, o prefeito e comandante em chefe da FAFI - Força Armada de Foz do Iguaçu (Guarda MUnicipal). Foto de Nei de Souza mostra batedores da FAFI em desfile dando proteção aos blindados da frota!

Sâo 18h36 de hoje. O dia termina. Saiu na imprensa: Após reunião Parque Nacional do Iguaçu reabre ao trânsito de taxis e van de turismo. O site H2Foz lido e retransmitido por todo o Brasil anunciou que ICMBio prorroga por 30 dias a entrada de taxis e vans de turismo durante o dia. À noite o trânsito está fechado. Diz também que o transporte de hóspedes e funcionários do Orient Express Hotel das Cataratas ou seja lá como esteja sendo chamado será feito pelo hotel. A decisão foi tomada após reunião com o Prefeito Paulo MacDonald Ghisi. Ricardo Soavinski voou de Brasília só par esa reunião provocada pela morte da onça. Participantes da reunião me disseram em entrevista (muito sacrificada, diga-se de passagem) que o prefeito falou bonito e de bom tom. Ele teria dito que se o Parque continuasse fechado, ele pessoalmente comandaria o "piquete" e traria a Guarda Municipal que eu, de vez em quando, chamo de a "Força Armada de Foz do Iguaçu" e simplifico para FAFI.

Mas o dia não foi tão calmo não. Vi umas vans de turismo passarem com uma espécie de faixa que dizia: "Atropelaram a onça, mataram o turismo" em seguida dizia: Fora Apolônio! Na parte de trás dos ditos veículos, havia outro letreiro que dizia: Primeiro de Abril do Parque Nacional do Iguaçu.

Quem é Apolônio? Apolônio é um servidor público federal de longa data e que durante bom tempo foi meu amigo. Não amigo de eu ir na casa dele nem ele vir na minha, mas amigo de bom trato. Entrevistei-o muitas vezes e em todas ele me atendeu e ajudou. Nossa amizade mudou depois do tal Plano de Revitalização do Parque Nacional do Iguaçu (que nem é Plano e nem revitalizou o Parque - o Parque não estava morto!). Temos diferenças. E por que ele está recebendo esse negócio de Fora Apolônio? Porque ele teve a má sorte de estar à frente do Parque durante esta crise.

Creio que sob pressão, segundo, o que escuto, ele teria dito: "eu não estou nem aí para Foz do Iguaçu, para o turismo" e teria acrescentado que "meu salário vem de Brasília". Parece que esa afirmação não diplomática não cheirou muito bem para os 320mil narizes ou 640 mil narinas dos habitantes da cidade (onde a maioria é pobre e lascada). É possível que a maioria desses habitantes não gostem da frase ou a elejam como "a favorita". Eu também sou bocudo. Um dia em uma palestra eu pedi que os futuros alunos do curso de biologia após a formatura não se tornassem "biólogos de aluguel". Eu também não sou diplomático. Mas vamos ao que interesa.

Falando de primeiro de abril que é o dia mundial da atrapalhada, eu queria saber: quem marcou para primeiro de abril o início da operação de transporte interno do novo concessionário do Hotel do Parque Nacional? O pobre hotel não tem ônibus ainda. Como iria ou vai transportar os hóspedes que chegarão com destino ao Hotel e que desembarcarão no Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu - Cataratas nos voos da meia noite, 1h30, 3h, 4h30 da manhã? Nas costas? Eu creio que sim. Alguém andou se complicando e bem complicado. Ouvi dizer que a liderança do ICMBio no Parque iria conversar com o hotel agora. Parece que alguma carroça assumiu o lugar do Equus asinus (jumento).

Finalmente o agitado 2 de abril de Foz do Iguaçu incluiu um protesto de ambientalistas ligados a Associação de Desenvolvimento de Esportes Radicais e Ecologia (ADERE) contrários à abertura do trânsito à veículos de turismo e deveria ter havido ou houve, outra demonstração de pessoas pelo motivo oposto. Eu só não sei se era o mesmo pessoal da faixa. Bem esse é o relatório do dia. Fique ligado se for necessário, voltaremos com novo relatório.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Hora no Paraguai incluindo CDE

Hora Mundial: passe o mouse sobre o mapa para escolher região