segunda-feira, 29 de setembro de 2008

O Tenente Raimundo da SAGA é do Morumbi


Esta postagem tem como propósito divulgar o trabalho do ator iguaçuense Alceu Moreira. O Alceu que pode ser visto trafegando pela cidade em uma surrada bicicleta sem marcha, mora na região do São Francisco em Foz do Iguaçu, mais especificamente em um dos Morumbis.

Na foto, Alceu Moreira aparece como o Tenente Raimundo do seriado "A Saga - da Terra Vermelha Brotou o Sangue" que está em fase de finalização e que contará a história de Foz do Iguaçu, começando com Cabeza de Vaca (Roberto Bomtempo), Carlos Prestes (Danilo Faro),Ortência (Olga Bongiovani) e muito mais. O Iguaçuense Moreira é parte dese elenco. É só aguardar para ver.

De minha parte, aproveito para mandar um abraço ao "Jesus", quer dizer ao Alceu e dizer que estou orgulhoso dele. Ele representa, de alguma maneira, o sonho e a garra do iguaçuense, geralmente vítima de uma "cultura" reducionista, especialmente quando o "reduzir" se refere ao outro, ao próximo. Visite a página da SAGA. Faltou dizer que o Alceu já foi candidato a vereador em eleição passada e é um batalhador de bastidores por uma política decente na cidade. Enquanto a série não vai ao ar, Alceu divide o tempo entre "bicos" e uma peça de teatro que estão ensaiando como parte de um curso de teatro. Será na CDI? Vai que é tua Alceu!

sexta-feira, 26 de setembro de 2008

Entrada Proibida: Cataratas de Jesús Val ou História das Cataratas como parque

Propriedade de Jesus Val em Puerto Aguirre (aluga-se cavalos)
Na picada aberta por Victoria Aguirre
Santos Dumont com o presidente Affonso Camargo
Croquis que mostra a terra de Val destinadas para parque estadual
Página do livro de Registro de Colonos da Colônia Militar do Iguassú


Clique nos documentos para aumentar (dá para ler)

Já escrevi antes sobre este assunto. Um material que preparei sob o título de "Em busca da História de Foz do Iguaçu" foi publicado no site H2Foz, na revista 100 Fronteira e na revista Cabeza. As Cataratas do Iguaçu já esteve dentro das terras de "um particular". O nome dele era Jesús Val. É a primeira vez que consigo publicar os documentos acima. É a primeira página e o primeiro assento do "Livro de Colonos da Colonia Militar do Iguassu" de 1904. O livro se encontra no Arquivo Público do Paraná em Curitiba.

Na maior parte do material em que vejo mencionar Jesús Val, diz que ele era uruguaio. Você pode ver no documento que ele aparece como "Hespanhol", 47 anos, casado. Talvez ele tenha tido nacionalidade dupla do tipo espanhol e uruguaio. Quem sabe? Sei também que Jesús Val residia oficialmente no Paraguai e não era em Ciudad del Este (que naquela época não existia) ou pelo menos é isso que foi registrado no livro mencionado acima.

Uma das atribuições da Colonia Militar do Iguassu era conceder terras aos colonos interessados em fixar residência na Colônia. Era muito simples: qualquer pessoas que chegasse à Colônia Militar, se dirigia ao comando e requeria terra.

Isso deve ter acontecido com Jesus Val que ganhou uma gleba de 1.008 hectares na margem esquerda dos Saltos de Santa Maria do Iguaçu - hoje Cataratas do Iguaçu. Pena que um pedacinho do texto ficou perdido, pelo menos a primeira letra de cada linha não aparece. Mas fica registrado que um general (Vespasiano de Albquerque) ordenou a medição imediata das terras da gleba de Jesús Val e orienta que a medição deveria começar do hotel de Jesús Val aí existente. Aí converge a história de Frederico Engel - primeiro hoteleiro de Foz do Iguaçu. Foi Jesús Val quem convidou a Frederico Engel a se mudar para a Colônia Militar e cuidar do hotel (Parece que até então Engel vivia tranquilo em Posadas, Argentina). Dizem também que foi o prefeito de Foz na época, Jorge Schimmelpfeng quem convidou. Foi nesse arranjo que Engel alargou a picada que levava às Cataratas tornando possível o trânsito de carroças.

Tenho muita curiosidade por este Jesús Val. Ele tinha terras aqui e no Alto Paraguai e mais especificamente em Puerto Colón, lá para os lados de Concepción, Paraguai. Val, teria sido ervateiro aqui e participado de alguma outra Bonanza no Alto Paraguai? Era um especulador?

Se Val conseguia visualizar um grande futuro para suas Cataratas, o sonho não durou muito. Em 1912, o Paraná aprova uma lei que prevê a declaração de certas propriedades como de "utilidade pública". Aí começa o caminho para que Val perca a sua garantia de futuro. Em 1916 a bomba estoura. A gleba de 1008 hectares de Jesús Val com suas Cataratas foi a primeira propriedade paranaense a ser desapropriada. Em 1919 Jesús Val recebe o dinheiro da desapropriação e desaparece da história. A história, daí em diante, eu vou contando aos poucos.

Atualização deste documento:

Atenção: aumentaram as informações sobre Jesús Val. Em 1904 ele aparece no relato de uma expedição de Holt, White e Greene nas Cataratas, lado argentino. Aparece a primeira picada, aberta ou seja paga para ser aberta pela senhora Victória Aguirre que hoje parte dela se tornou Ruta (Rodovia) RA 12 e leva do centro da atual Puerto Iguazú ao Aerporto, às Cataratas e à Posadas. Pelo que está escrito no relato da viagem, os cavalos e mulas que levaram a expedição até as Cataratas pertenciam a Jesús Val, que seria, a partir de agora, um possível "pai" dos agentes do turismo receptivo da região. Jesús Val conduziu a expedição até as Cataratas fornecendo mulas e cavalos, comida, peões e cozinheiro.

Coloco outra foto muito importante: Santos Dumont em 1916 com o então presidente (governador) do Paraná, Affonso Alves de Camargo. Depois de passar por Puerto Aguirre (Puerto Iguazu), e encontrar-se com moradores de Foz do Iguaçu em Foz do Iguaçu, Santos Dumont se desespera ao descobrir que as Cataratas estavam dentro de uma propriedade privada e que além disso não havia condição para se chegar até elas e, lá chegando, não havia um hotel para que o visitante pudesse pernoitar. Ele prometeu ir até Curitiba e falar com o presidente sobre o caso. A foto mostra que ele foi. A foto é cortesia do deputado federal pelo Paraná, Affonso Alves Camargo Netto. Além do presidente e Santos Dumont, aparece Pedro Alípio Alves de Camargo, ainda menino, todo de branco. Pedro é o pai do deputado Affonso Camargo que cedeu a foto. Ela foi publicada na Revista 100 Fronteiras este mês e agora aqui no blog.

Créditos de fotos e outros créditos:
Deputado Affonso Alves de Camargo
Arquivo Público do Paraná
Terras e Cartografia Paraná
Histamar História Marítima Argentina

quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Mais uma foto da Ponte em 1968


Ponte Internacional da Amizade em um dia de 1968. O colega Ricardo, que mencionei na postagemn anterior, celebra a oportunidade de estar em um lugar especial. Ponte vazia. Ponte tranquila. Eu cheguei em Foz do Iguaçu, nove anos mais tarde. Em alguns horários já havia congestionamento, algumas filas. O comércio de CDE abria à noite - até às 23h, no mínimo.

Foto da Ponte no ano que não terminou


1968 - fazia quatro anos que os militares brasileiros tomaram o poder. Fazia três anos que a Ponte Internacional da Amizade havia sido inaugurada. A juventufde sonhadora e aventureira dos anos 60, partiam para a estrada para conhcer e descobrir o mundo. Entre eles, os dois que aparecem na foto. O que está sentado no chão, apoiado em sua mochila, se chama Ricardo Kruschew. Mora em Buenos Aires. É empresário e um gande colega meu. Ricardo fsbrica caiaques e lidera expedições a diversas regiões entre elas à Terra do Fogo, Antártida, Delta do Rio da Prata e até ao nosso rio Paraná na região do Parque Nacional de Ilha Grande.

Como você vê, a ponte está vazia. Alguém imaginou que a Ponte Internacional da Amizade chegaria a ser tão moviemntada como é hoje? Não pedi autorização ao Roicardo para colocar a foto dele no ar. Se ele achar ruim, retirarei. Mas creio que ele não vai protestar. Algumas observações: clicando na foto ela aumenta e dá para ver melhor; o ano que não terminou é uma alusão ao título do livro de Zuenir Ventura; o Ricardo não mudou muito, só mudou o cabelo. Hoje ele usa um corte zero.

segunda-feira, 22 de setembro de 2008

Caiaque pólo Foz do Iguaçu



Agora consegui baixar as fotos. Aí estão. Uma idéia do jogo, na ocasião se não me engano da equipe cadete com idade entre os 10 e 16 anos. Outra foto mostra a premiação. Todos os componentes das esquipes vencedoras ganharam medalhas. Ótimo trabalho do professor Valdecir Fernandes da Cruz e equipe de Foz do Iguaçu.

Caiaque Pólo de Foz. Guarde esta foto!


Memorize este símbolo. Este foi o logo do Campeonato Paranaense de Caiaque Pólo que aconteceu nos dias 20 e 21 de setembro, quer dizer, terminou ontem. O evento foi realizado nas piscinas do Centro de Convivência no bairro do Morumbi aqui em Foz do Iguaçu. Participaram equipes nas categorias inciante, cadete e aberta. Muito bonito ver pequenos iguaçuenses descobrindo um esporte tão completo como o caique pólo. Esporte que inclui o domínio do remo, do jogo e da bola e tranquilidade na água. Anote aí no seu diário. Voltarei ao assunto sobre este campeonato.

O Morumbi!

Sobre o Morumbi como um bairro até recentemente discriminado, é muito bonito ver a "promessa" de futuro. Falando em Morumbi, recentemente eu estive conversando com pessoas da Associação de Moradores. Um dos assuntos foi: quando o essa região deixou de ser cahamada de Chicão, para ser conhecida como "Morumbi". Vale dizer que não é só morumbi. São Morumbi I, Morumbi II, Morumbi III e Morumbi IV.

Além de ter o apelido de Chicão, a região conhecida como São Francisco, se chamava Rincão do São Francisco. Perguntei por quê? Me disseram que se era rincão deve ser porque era um cantinho. "'Rincão' significa 'canto', lá no Rio Grande", me disse um dos membros que é de origem nordestina ou mineira. Explicaram ainda que São Francisco mesmo é a diocesse. "Mas Parece antigamente que São Francisco era uma "gleba" que ia daqui até o Parque Nacional (do Iguaçu).

Mas gleba de quem? Como era o nome da gleba? - perguntei. Olhe o negócio é o seguinte, disse um dos interlocutores, se aproximando e soprando no meu ouvido: "dizem por aqui que a gleba, essa que estamos falando, era do Santos Dumont". Eu acho, continuou, que só pode ser. Por que o parque era do Santos Dumont, não era?

E assim fomos conversando por horas descobrindo coisas desse bairro-região de Foz do Iguaçu.

(Para saber mais sobre o campeonato, veja texto de Iran Schleder da Federação)

quarta-feira, 17 de setembro de 2008

Turista anda de ônibus sim!


Já faz algum tempo que comecei a divulgar as principais linhas de ônibus urbanos de Foz do Iguaçu, de Puerto Iguazu e Ciudad del Este - pelo menos as linhas chamadas "internacionais circulares urbanas", um espécie de "internacinal local". Coloco a foto acima tirada por mim durante o Congresso Mundial de Gastroenterolgia, Hepatologia e Nutrição Pediátrica. Um congresso que trouxe cerca de 2 mil médicos de todo o mundo, muitos dos quais usaram os ônibus urbanos de Foz do Iguaçu - especialmente as linhas que unem os principais hotéis da cidade aos hote´s onde o evento aconteceu (Bourbon e Mabu). A foto mostra médicos aguardando ônibus na Avenida das Cataratas. Eles estavam na sede do congresso e aguardavam ônibus para Puerto Iguazú (Argentina) e hotéis próximos ao Parque Nacional do Iguaçu (Brasil) como os hotéis San Martin e Colonial.

sexta-feira, 12 de setembro de 2008

Primeiro contato visual com Foz do Iguaçu


Esta foto foi tirada por Silvia Tognato Magini da Starchild Global nos primeiros momentos em que pisou o solo de Foz do Iguaçu. Aparecem na foto o "nariz" (proa) do avião que a trouxe e o prédio do Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu-Cataratas. O aeroporto de Foz é pequeno quando comparado com os grandes mas cumpre seu papel. Quanta gente já passou por ele? Este é o segundo Aeroporto que Foz do Iguaçu teve. O primeiro estava localizado onde hoje é a Avenida JK. Mais especificamente em área que ainda hoje pertence à União (Exército Brasileiro) e onde funciona um Clube chamado GRESFI. Ou melhor o GRESFI funciona no prédio que outrora foi o prédio do Aerporto. Voltarei com mais logo sobre os dois aeroportos. Por enquanto parabenizo a Silvia pelo seu olhar desse primeiro contato com Foz do Iguaçu para milhares de pessoas por ano. Acrescento que o Aeroporto de Foz é ainda uma das atrações turísticas da cidade. No Paraná só há pistas com capacidade para receber jatos em Curitiba, Londrina, Maringá e Foz do Iguaçu e isso inclui jatos enormes como o Boeing 747.

quinta-feira, 11 de setembro de 2008

Telhados de Foz do Iguaçu


Ás vezes penso que Foz do Iguaçu foi feita às pressas, rapidinho para abrigar a população da chuva. Daí esquecemos de atualizar, ajeitar, melhorar as moradias. Assim, um voo baixo sobre Foz do Iguaçu é uma descoberta de telhados/abrigos que muitas histórias têm para contar.

Cursos Profisonalizante sobre rodas





Registro (fotograficamente) aqui uma das turmas do curso profissionalizante de cabeleireiros, manicure, pedicure e informática (em ônibus diferentes) que começou no dia 8 de setembro no bairro do Morumbi em Foz do Iguaçu. Os cursos acontecem em dois ônibus doados pela Receita Federal e mobiliados e adaptados pelo Município e Estado. A atividade leva o carimbo do Provopar Foz do Iguaçu. Boa iniciativa. A procura é grande. O ambiente é ótimo. Umas das grandes iniciativas. O Blog de Foz ficará sobrevoando os cursos durante o tempo em que permanecerem no Morumbi. O Blog também acompanhará o progresso das turmas.

Marco Tres Fonteiras do Paraguai


Ainda como resultado de minha recente visita ao Marco das Tres Fronteiras ou Hito de las Tres Fronteras localizado em Presidente Franco, Paraguai, coloco esta foto que mostra a placa comemorativa do Sesquicentenário da Independência do Paraguai celebrado em 1960. A placa é uma homenagem da Associação Paraguaia de Caminhos. É bom lembrar que a Ponte Internacional da Amizade só foi inaugurada em 1965. Os Marcos brasileiro e argentino foram inaugurados em 1933.

quinta-feira, 4 de setembro de 2008

Aglomerado Transfronteiriço


Notas sobre o "Estudo do Ipardes" III

O Estudo do Ipardes que estou comentando há algumas postagens, chama a região das Três Fronteiras de "Aglomerado Transfronteiriço" e sugere que se comece a discutir a viablidade de existir uma "integração do planejamento e gestão das três cidades" principais: Foz do Iguaçu, Ciudad del Este e Puerto Iguazú.

Já adianto que o Itamaraty não gosta dessa idéia de "transfronteiriço". Já ouvi discussão sobre isso e o Brasil é taxativo quanto à essa possibilidade. Desde que se use outra "palavra", o plano pode proseguir. Mas voltando ao estudo.

O eatudo recomenda que a se faça alguma coisa para "reverter a condição de enclave da aglomneração transfronteiriça em relação aos espaços regionais onde se insere nos respectivos países".

Um parêntese

Você entendeu isso? Que é enclave? Dou-lhe esta definição simplificada do wikipedia: "Em geografia, um enclave é um território totalmente cercado por um território estrangeiro". Quer dizer, viver no aglomerado Três Fronteiras é como se vivessesmos em um enclave. Alguns enclaves famosos: Gibraltar, Berlim Ocidental (antes do muro desabar), Zona do Canal do Panamá etc. É bom pensar nisso!

As três cidades estão crescendo e as três explodiram em algum momento. Em 1972, CIudad del Este tinha 26.485 habitantes. Em 1982 tinha pulado para 62.328. Em 2005, CDE já tinha alcançado 260.594 habitantes.

Puerto Iguazú a menor das três tinha 3.001 habitantes em 1970. Em 1980, já tinha pulado para 10.250 e no censo argentino de 2001 já estava em 31.515. E nos útlinmos anos, Puerto Iguazú está crescendo muito mais. Há uma explosão em andamento e isso inclui os problemas que Foz e CDE já conhecem.

Tríplice Fronteira: Para pensar no assunto

Tudo aconteceu muito rápido. Da noite pro dia, como se em um abrir e piscar de olhos, todos paramos de chamar a região onde vivemos de "Três Fronteiras" e passamos a usar o termo (policial) "Tríplice Fronteira". Em vários trabalhos meus, tenho tentado desestimular o uso deste termo, mas eu mesmo tenho usado. Por exemplo quando digo "Que fazer na Tríplice Fronteira". O que quero destacar aqui é que o termo Tríplice Fronteira é uma "construção simbólica pejorativa e exógena". Abaixo, você vai ver (ou ler) um trecho do estudo do Ipardes: Vários Paranás, Oeste Paranaense: o 3° Espaço Relevante. Especifidades e diversidades.

Confira e pense sobre o assunto:

"Por muitos anos, o símbolo dessa região transfronteiriça eram os marcos das Três Fronteiras: obesliscos situados em pontos dos territórios, de onde se pode avistar porções dos três países, assim como a confluência dos rios Paraná e Iguaçu. Ícone de um período de entrelaçamento de relações amistosas, esses marcos deixaram de ser objeto de visitação obrigatória. A própria expressão que os denomina - Três Fronteiras - aos poucos foi substituida por "tríplice fronteira".

Se, em princípio, essa mudança apresenta ser uma simples referência à sinonímia, estudos demonstram que, buscando suas origens, percebe-se que ela decorre de uma sutil, lenta e elaborada construção simbólica, provavelmente menos ligada à concepção dos moradores da região sobre ela mesma e mais afeta uma construção exógena, introjetada no imaginário local". (Página 61 do estudo).

segunda-feira, 1 de setembro de 2008

Cerimônia nas Cataratas (Lado Argentino)






O que poderia unir a muçulmanos, judeus, cristãos, wiccas, indígenas da Pan-américa, clero católico, protestante em uma cerimônia nas Cataratas do Iguaçu? A resposta parece ser o cansaço com os conflitos.

Desde o dia 27 de agosto, o Refúgio Biológico da Itaipu Binacional recebeu mais de 100 pessoas durante a Assembléia Latino-Americana da URI (Iniciativa das Religiões Unidas) o que se pode chamar de "uma espécie de Nações Unidas das Religiões". As fotos mostram momentos da cerimônia no Passeio Superior das Cataratas do Iguaçu no Parque Nacional Iguazú, Argentina.

Volte a esta postagem, pois darei links para video clips de várias ocasiões. Voce pode ir também ao blog do Centro Neblina Criativa

Ipardes fala sobre o Oeste


Aproveitando que estamos em época de eleição, gostaria de chamar a atenção para o estudo do Ipardes divulgado no dia 27 de agosto aqui em Foz do Iguaçu sobre a situação real do Oeste do Paraná. São dados que devem ajudar as lideranças da região. Veja material sobre o estudo AQUI e logo em seguida, você pode clicar AQUI para ir ao relatório em PDF.

O estudo revela que há ainda grande disparidade, desigualdade e concentração no Oeste do Paraná. Diz ainda que apesar da região oferecer boa quantidade de empregos, a maioria desses empregos não paga bem, quer dizer a massa salarial gerada é baixa. Até o turismo e as particularidades da fronteira Foz do Iguaçu / Puerto Iguazú e Ciudad del Este são destaques. No turismo, o destaque é a riqueza de dados que não podem ser confirmados. O estudo também toca a questão dos royalties de Itaipu e seu uso pelos municípios.

Ótimo material para candidatos a prefeito e vereadores de todo o Oeste do Paraná. O presidente do Ipardes, Carlos Manuel dos Santos disse ao Blog de Foz que logo após a eleições, o Ipardes promoverá um encontro com os prefeitos eleitos para debater a realidade e falar sobre as metas e planos do Governo do Estado em andamento. O encontro acontecerá em Foz do Iguaçu.

Confira alguns dados:

..."As indústrias do Terceiro Espaço* (Oeste do Paraná)...correspondem àquelas tradicionais, com tecnologia disponível e disseminada e baixa produtividade de trabalho. Quanto ao porte dos estabelecimentos, predominam os pequenos, o nível de concorrência é alto e determinado por baixos salários....".

"...em 2005, três segmentos somavam 80,02 do VAF** Industrial, 63,63 dos empregos e 34,65 dos estabelecimentos".

"...a fabricação de produtos alimentícios e bebidas (segmento 1) respondeu por 72,21% do VAF.

"...A fabricação de produtos químicos (segmento 2) contribuiu só com 4,75 do VAF. E o terceiro segmento, fabricação de móveis e indústrias diversas contribuiu com 3,06% do VAF; 6,14% do número de empregos e 13,53 dos estabelecimentos.

A participação de Foz do Iguaçu na geração de emprego no Oeste é de 18,79% segundo números de 2005. Mas já foi maior no período de 1985 e 1995. A taxa de crescimento da indústria em Foz do Iguaçu nos anos 1985 e 2005 é de 3,76% por ano. No mesmo período, a taxa de crescimento do Oeste foi de 6,48%.

*   VAF significa "Valor Agregado Fiscal".
** A Região Oeste é chamada de Terceiro Espaço no estudo.

Veja as notas:
Tríplice Fronteira: para pensar sobre ela
Aglomerado Transnacional
Turismo no Oeste

Cerimônia no Marco das 3F no Paraguai


Para você que é de Foz ou de alguma cidade da Tríplice Fronteira, ofereço esta foto do momento em que os participamtes do congresso da URI fazem um círculo para abraçar as Três Fronteiras, os dois rios e todas as raças e nacionalidades presentes na ocasião e na região como um todo. Para mim esta foto é bela. Mostra um lugar impressionante. Assim recomendo a que se visite o Marco das Três Fronteiras pelo Lado Paraguaio para se ter esta visão tão diferente.

Observatório Astronômico da Itaipu


As obras para o planetário e observatório astronômico de Itaipu estão fluindo com toda a velocidade. Aqui uma foto que captei de passagem durante a oficina do Ipardes sobre o Oeste Paranaense - Diversidade e oportunidades. Já publicarei um resumo da oficina.

Como a foto mostra, a cúpula do planetário já começa a tomar forma. Na parte da frente haverá mais uma cúpula quer será o observatório. O que será em breve uma npova atração turística e mais uma ferramenta de educação fica no complexo do PTI, próximo ao Espaço de Eventos Florestan Fernandes.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Hora no Paraguai incluindo CDE

Hora Mundial: passe o mouse sobre o mapa para escolher região