segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Diálogo interreligioso em Foz do Iguaçu e TriFron é bom mas pode melhorar


Lideranças religiosas do Uruguai recebidas no Parlamento do Mercosul 
Quando um Papa, o Dalai Lama, o arcebispo anglicano Desmond Tutu e outros líderes religiosos se encontram, nenhum deles sai perdendo. Todos ganham com o diálogo. São cada vez mais frequentes as vozes que pedem que o diálogo interreligioso, os encontros inter-fé, as oportunidades de contato entre diferentes cosmovisões aconteçam. 

Foz do Iguaçu tem alguma experiência neste assunto. Não é raro vermos nas manchetes de jornais, chamadas de TV e rádio, notícias como “Lideranças religiosas de Foz se juntam para orar pela paz”. Esses encontros têm acontecido na Câmara de Vereadores, em colégios, Mesquitas e Igrejas. Estes eventos têm colocado, lado a lado, sheikhs das duas versões islâmicas, pastores evangélicos ligados ao Conselho de Pastores Evangélicos de Foz do Iguaçu (COPEFI) e os três últimos bispo católicos romanos de Foz do Iguaçu. 

O desafio de Foz do Iguaçu é ampliar a presença de lideranças religiosas  nestes encontros e neste diálogo – sem que ninguém se renda a ninguém. O propósito é dar visibilidade e voz às diferentes religiões e grupos ligados à espiritualidade que compartilham o sol e o oxigênio na Terra das Cataratas. Nas ocasiões ecumênicas, interreligiosas realizadas até hoje em Foz do Iguaçu sente-se falta da presença de budistas, quer sejam de Foz do Iguaçu ou de Ciudad del Este que é uma cidade tão quanto ou mais diversa do que nós; faz falta convidar representantes da Seicho no Ié, da versão Sokka Gakkai do Budismo, da Igreja Tenrikyo, dos espíritas, da Ordem Rosa Cruz, de um ou mais Babalorixá do Candomblé, de um representante da Umbanda, da presença de um ou mais pajés, donos da terra, Ava-guarani, mbyá-guarani, Aché além de outros grupos menores que não se encaixam em grandes descrições mas que “existem”. 
Encontro interreligioso em Brasília
Foz do Iguaçu vende a imagem de ser um lugar onde 40, 60, 80 etnias e religiões vivem em paz. Precisamos melhorar a qualidade dessa harmonia para que não seja baseada na ignorância, no não saber nada do outro, no conhecimento superficial, ou instrumental além do medo do outro. Encontros para o diálogo religioso acontecem em todo o mundo. Um desses eventos, aconteceu no Parlamento do Mercosul, em Montevidéu, Uruguai. Uma sessão especial foi convocada para discutir a paz e a convivência entre diferentes religiões no Mercosul. A idéia foi apresentar o Mercosul como um espaço de paz. Foi também o Iº Diálogo Interreligioso Uruguaio. Fiquei impressionado com a lista de participantes em termos de variedade por isso decidi copiá-la e colá-la aqui: 

Julio Kronberg, da Federação Afro-umbandista do Uruguai; Sima Baher da Fé Bahá’i;  Sebastián Camacho, da Igreja Veterocatólica Abracista; da  Igreja Católica Antiga; do Círculo Teúrgico do Uruguai; o representante da filosofia Ubuntu do Congo; a Comunidade Espiritual Nativa Charrua; Ariel Kleiner da Confraternidade Judeo-Cristã do Uruguai e Nova Congregação Israelita; rmin Ihle, da Congregação Evangélica Luterana e da la Confraternidade Judeo-Cristã do Uruguai; Heba Viera da Associação de Mulheres Muçulmanas do Uruguai; Ubaldo Pino da Igreja Católica Liberal; Monsenhor Jaime Fuentes, da Igreja Católica Apostólica Romana; Conferência Igreja Episcopal do Uruguai; Alejandro Russi da Igreja da Comunidade Metropolitana do Uruguai; Yancey Castro do Centro Bhakti Yoga do Uruguai; Raúl Rey da Federação das Famílias; Budismo Nichiren Daishonin – Soka Gakkai; Marisa Maltzman da Associação Civil Brahma Kumaris do Uruguai; Antonio Cappi da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Días; Marcelo Chiesa da Igreja Anglicana do Uruguai; Hugo Armand Pilon da Federação das Igrejas Evangélicas do Uruguai. 

Mas nem só de religiosos vive o diálogo religioso ou interreligioso. Há também os acadêmicos, os interessados no ensino religioso que é parte do currículo nacional. Uma vê conversando com o ex-vereador Mohammed Barakat e aual diretor de assuntos internacionais da Prefeitura de Foz (PMFI), falávamos sobre a tolerância religiosa e o exemplo de Omã que tem uma política de tolerância sem proselitismo. Barakat me disse: “Eu não gosto da palavra tolerância. Eu prefiro fraternidade. Tolerância é mais quando você me deve e não paga; aí eu tolero, ou lhe dou tolerância”, disse. Concordo com ele. É mais do que tolerância. Caso contrario, temos preconceito institucionalizado quando e onde as coisas são bem simples: Evangélico é de Deus, Umbandista é do Diabo. Ou aquele evangélico que diz que é cristão dizendo indiretamente que católico não é cristão.                            
Por um Cristo Búdico, Por um Buda Crístico!
Este é o encontro entre o 
Caminho do coração 
com o caminho do Meio 
na precisa travessia do viver!

(Arcebispo Desmond Tutu e Dalai Lama) 


Achei também uma lista exemplar, no sentido de servir de exemplo para o diálogo interreligioso iguaçuense. É o exemplo que acontece com frequência em Brasília, nossa capital federal, considerada um dos grandes lugares energéticos brasileiros e onde os diálogos incluem representantes religiosos, acadêmicos, científicos, pesquisadores e funcionários públicos ligados aos Direitos Humanos, Tolerância Religiosa e ONGs como a URI – United Religions Initiative. Coloco a foto abaixo, com legenda,  extraída do ambiente Facebook do meu colega Elianildo Nascimento da URI/DF.      
Flávia Pinto (Ganhadora do Prêmio Nacional de Direitos Humanos - Categoria Diversidade Religiosa); Marga Stroher (Coordenadora de Diversidade Religiosa - SDH/PR); Elianildo Nascimento (URI/ENC); Pastor Sylvio Santos (AD); Sheikh Jihad Hassan (Wamy); Professor Fernando La Rocque (Santo Daime); Professor Carlos André Cavalcanti (Videlicet/UFPB); Mãe Dalila de Légua (Foafro/Val); Lilian Oliveira (Unisinos); André Musskopf; José Ivo Follman (Unisinos) e Marina Krieger (LBV), e agachado, Marcelo Sallahudin (Centro Islâmico DF)

Próxima postagem sobre este assunto: 
Grandes experiências de diálogo interreligioso em Foz

quinta-feira, 25 de setembro de 2014

E as araras vermelhas voltarão a voar nos céus do Iguaçu?

Parece que estou sonhando
com a paz que o céu retrata,
ao ver araras em bando
pintando de azul a mata!...
Aquelas imagens usadas em catálogos de turismo que mostram araras vermelhas e tucanos voando sobre as Cataratas do Iguaçu; bugios e onças espichadas em galhos de árvores que se espreguiçam  na frente das Cataratas são parcialmente verdadeiras.  Tucanos e araçaris ainda podem ser vistos voando na área de influência das Cataratas, junto com guaxos e gralhas e os admiráveis, incomparáveis e imbatíveis taperuçus de cascata. Já os bugios, as onças junto com as antas e outros animas maiores bateram retirada – mesmo que ainda existam, é perigoso demais para eles, afinal, não se pode confiar em humanos.

Quanto as araras vermelhas que ainda voam sobre as Cataratas dentro dos folhetos e panfletos turísticos,  é pura mentira e quase falsa ideologia ou pelo menos propaganda enganosa.  Faz muita tempo que arara vermelha não voa sobre Foz do Iguaçu, sobre todo o Oeste do Paraná. Porém há uma possibilidade de ver as araras vermelhas voltarem a  peitar os  ventos dessas paragens e voltar a voar sobre o Parque Nacional do Iguaçu. Pode levar tempo, mas é possível. 

O sonho existe na forma de projeto, primeiro no coração de Anna Croukamp do Parque das Aves e sua equipe liderada por Yara Barros, a bióloga da casa. Reintroduzir a arara azul no seu habitat natural no que resta da Mata Atlântica no Oeste do Paraná, leia-se Parque Nacional do Iguaçu / Iguazú e no futuro, já que araras voam, em outras áreas adjuntas que podem ser Argentina e Paraguai é tanto um sonho como um desafio.  

Um desafio porque há uma parte burocrática a ser vencida, há todo  um universo  de questões técnicas e cientificas a ser vencido e há, o mais difícil, todo um trabalho de “divulgação do trabalho”, de conscientização  das comunidades de toda a região do entorno do Parque Nacional do Iguaçu, do entorno do Lago de Itaipu para que as novas ocupantes dos céus não sejam alvo de chumbinhos, cartuchos ou balas. Para que não sejam perseguidas quando elas, em voo, decidam ruidosamente fazer escalas em sítios, chácaras e propriedades das populações vizinhas. Para que não voltem a ser caçadas. Ver as araras vermelhas de volta nos céus do Paraná é muito mais difícil do que fazê-las povoar as páginas coloridas de catálogos, revistas e folhetos de divulgação turística.  

Falta pouco. São necessárias algumas autorizações, ajustes porque quando se trata de reintroduzir uma espécie de volta em seu habitat, há muito que levar em consideração inclusive a questão genética e saúde entre outras. O Parque das Aves é um desses lugares onde a iniciativa privada tem trabalhado bem. Os turistas não podem e não devem, ou pelo menos não deveriam reclamar do preço do ingresso. Aqui é um daqueles poucos lugares onde o turismo está ajudando, custeando, bancando pesquisas, oferecendo espaço para acolhimento de aves permitindo também a educação ambiental e o lazer - que é o que o visitante, turista ou morador está consciente que paga. Tudo sem custar um centavo público. 

terça-feira, 23 de setembro de 2014

Escola Municipal Irio Manganelli comemora 20 anos com festa



A Escola Municipal Írio Manganelli (CAIC) em conjunto com o  Centro Municipal de Educação Infantil Inácia de Menezes realizaram no último sábado, 21, a Festa da Primavera. A oportunidade serviu também para comemorar os 20 anos das duas escolas fundadas em 1994. A festa correu solta a partior das 17h com apresentações de dança e música dos alunos. A primeira atração da tarde foi a apresentação de meninos da escola que lembraram uma outra comemoração importante: a Semana Farroupilha. 
Com o apoio técnico do Centro de Tradições Gaúchas  (CTG) Charrua, os alunos apresentaram vários números de danças em par onde prendas e peões mirins fizeram bonito. Uma outra grande atração, da tarde foi a apresentação da chula - uma dança desafio dançada só por homens. Uma vara de madeira ou lança  medindo cerca de 2 ou 3 metros de comprimento é colocada no chão. Dois dançarinos,Gustavo Rodrigues e Gabriel Ledesma dispostos em suas extremidades e ao som da gaita executam diferentes sapateados, avançando e recuando sobre o pedaço de madeira. No final os dois se confrontaram para mostrar suas coreográficas.  

 

O público aplaudiu com vontade. Os meninos que se apresentaram já são campeões na dança em CTG de Foz do Iguaçu, Francisco Beltrão e outras reuniões do Oeste Parananese. Depois da apresentação que celebrou a memoria farroupilha veio o desfile de apresentaçõa da Escola MUnicipal com dançarinas de jaz, bailarinas (ballet) dos primeiros anos A a G, apresnetação dos artistas do CMEI Inácia de Menezes e finalmente de todos os alunos com as professoras da escola. 
       

Foz do Iguaçu forma primeira turma de analistas transacionais

Analistas transacionais de Foz em formação com Rosa Krausz, Andréa LindnerLaucemir Silveira (Curitiba), Maila Flesch (SP)
“O Líder não está mais atrelado a uma pessoa; um líder é quem forma mais lideres”. Esta é uma das afirmações da professora Rosa Krausz, socióloga e analista transacional que esteve em Foz do Iguaçu no sábado, 13, para participar da cerimônia de formatura da primeira turma de analista transacionais (AT-202em Foz do Iguaçu. 

O curso é o primeiro passo para a formação de Analistas Transacionais certificados pela UNAT-Brasil. Os encontros ocorreram de outubro de 2012 a setembro e 2014, tendo como didatas as analistas transacionais: Andréa Lindner (Foz do Iguaçu), Laucemir Silveira (Curitiba), Maila Flesch (São Paulo) e Rosa Krausz (São Paulo).

Segundo Andréa Lindner, a Formação propicia a discussão sobre o funcionamento humano a partir da Análise Transacional, culminando com a compreensão da dinâmica organizacional (equipes, estilo de gestão, comunicação organizacional, entre outros). “Possibilita ao profissional a leitura dos comportamentos organizacionais, o que o qualifica a fazer intervenções adequadas no seu papel, seja como consultor, gestor ou educador”, afirma acrescentando que o  curso de formação é certificado pela UNAT-BRASIL, a entidade que promove o Fórum em Foz  e tem por objetivo preparar o profissional para aplicar a teoria em seu campo de atividade. 

A professora voltará à Terra das Cataratas em outubro para participar no VIII Fórum Brasileiro de AnaliseTransacional, ser realizado entre 16 e 18 de outubro no Hotel Golden Tulip Internacional. A principal mensagem de Rosa Krausz é que “as formas tradicionais de desenvolvimento humano precisam ser ajustadas à novas possibilidades”. Ela se refere a áreas tão aparentemente distantes como educação, negócios e organizações, administração de empresas e crescimento humano.

“A questão controle e comando não interessa mais, se o jovem não tiver espaço para crescer ele pega a mochila e vai embora”, afirma lembrando que é urgente “aprender a trabalhar em conjunto”. E aí volta à cena o líder. “O líder não é mais um guru – o guru é emocional, o líder tem como missão ajudar a que a equipe pense juntos, 10 cabeças pensam melhor”, enfatiza. Segundo ela a mudança tecnológica tem sido tão grande que coisas se inverteram. “Hoje as crianças educam os pais na área de informática. Na minha época tudo era grudado na parede. O telefone era grudado na parede hoje tudo mudou”, brincou.

De acordo com a professora Andréa Lindner, no fórum haverá um curso de conceitos básicos da Análise Transacional na manhã do dia 16 de outubro. “Será ótimo para aqueles que ainda não conhecem a Análise Transacional e desejam usufruir do evento. É bom também para quem deseja relembrar conceitos", conclui. Para ver a programação inteira do Fórum clique aqui.    

Os novos analistas transacionais de Foz do Iguaçu  

Ana Paula Simões
Cecília Oderich
Clari Prasniewski
Geonice Zibetti
Jarbas Durso
Juliana Silveira
Jussara Ramos
Luiz Burei
Márcio Gomes
Márcio Schünemann
Maria Elena Silva
Meriete Mendes
Moacir Borges
Rodrigo Felismino
Rozimeri Capelli
Silvana Gomes
Stefania Guedes



segunda-feira, 22 de setembro de 2014

É de Foz ganhador da "casa com carro na garagem" do Muffato

O sorteio em Cascavel
O cliente do Super Muffato Rogério Rodrigues Macedo, 30 anos, morador do Jardim América, em Foz do Iguaçu, é o primeiro ganhador da ”Promoção Tô Dentro Super Muffato”. Ele ganhou uma casa e um carro zero no valor aproximado de R$ 250 mil no sorteio realizado em Cascavel, no hipermercado da Av. Juscelino Kubitscheck, no dia 20 de setembro. “Nem acredito que em meio a milhões de cupons eu tenha sido o felizardo. Quando me ligaram achei que era trote e a ficha demorou para cair”, conta Macedo.
Segundo ele, que se casou há poucos meses, o casal estava em busca da realização do sonho da casa própria. “Ainda não temos casa nem carro e o prêmio foi um presente de Deus para abençoar ainda mais nosso casamento”, declara.

A rede investiu cerca de um milhão de reais somente na aquisição dos prêmios. “Essa promoção, inédita no varejo, é uma forma de comemorar os 40 anos de conquistas do Grupo junto com os nossos clientes, que demonstram grande carinho pela marca Muffato em todas as 16 cidades onde atuamos”, explica o diretor Everton Muffato. As urnas contendo os cupons preenchidos pelos clientes nas 39 lojas de varejo foram transportadas devidamente lacradas até o local do sorteio, que foi acompanhado por um auditor independente e por centenas de clientes ansiosos para conferir o resultado.
De acordo com a gerente de Marketing, Regina Pereira, a campanha tem sido um sucesso. “Os clientes estão participando ativamente e ainda temos mais três sorteios pela frente, aumentando as chances de cada um”, comenta.

A promoção teve início em 02 de agosto e vai até 31 de janeiro do ano que vem. A cada R$ 45 em compras, o cliente ganha um cupom para participar e concorrer a quatro casas com um Toyota Etios 1.3 0 km, com IPVA, seguro obrigatório, licenciamento e emplacamento quitados. Todos os cupons que participaram da primeira apuração continuam valendo para os outros três sorteios que serão realizados em 01 de novembro, 13 de dezembro e 31 de janeiro de 2015, somando-se aos que ainda serão preenchidos pelos clientes durante o período da promoção.

 “É importante que o cliente preencha corretamente todos os dados do cupom e responda a pergunta Qual o supermercado que faz tudo bem feito e está sorteando quatro casas e quatro carros? para que sua participação seja validada”, alerta Regina Pereira. Agora é aguardar para saber quem serão os próximos três felizardos que ganharão a tão sonhada casa própria e o carro zerinho, a exemplo do Rogério Macedo, que foi o primeiro cliente do Super Muffato a levar o prêmio. (Com assessoria) 

Com certificado de AT 101 da UNAT em mãos: agora deu!

Adicionar legenda

Deixe que eu explico o "agora deu", do título desta postagem. Consegui fazer o Curso Introdutório de Análise Transacional. Tenho sido candidato a fazê-lo desde que ouvi notícias dele em Foz do Iguaçu, há pelo menos uns 3 anos. Mas na hora da verdade não consegui. O principal motivo era o horário. Sempre foram à noite, Há poucos dias recebi o convite. Fiquei contente porque acreditei que os organizadores tinham desistido de mim. 

Abri o e-mail e vi que seria pela manhã. Na resposta eu disse: "Desta vez não perco por nada". Fui lá e fiz. Finalmente na terça-feira, 16 de setembro, pequei meu certificado. Vi uma sincronicidade fantástica. O curso apareceu justamente quando Foz do Iguaçu se prepara para receber o VIII Fórum Brasileiro de Análise Transacional em outubro. Na foto exibo o meu certificado. É o primeiro passo não sei se chego até o fim, mas um dia de cada vez. Quem sabe? Publico também foto com todos os colegas do curso AT-101. A maioria deles são estudantes do décimo, sexto, quarto e outros períodos do curso de psicologia da Uniamérica em Foz do Iguaçu.

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Diversidade linguística brasileira será premiada em evento Foz do Iguaçu

Diversidade linguística em Foz
Apareceu uma nota discreta ontem na Agência Brasil de Notícias. Houve quem dissesse que a notícia tinha primeiramente a "cara de Foz do Iguaçu" e, em segundo lugar, a cara da Unila - Universidade da Integração Latino-Americana .  A informação que a Agência vinculou era a seguinte: duas línguas ou idiomas indígenas brasileiros foram consideradas como Referência Cultural Brasileira pela Comissão Técnica do INDL (Inventário Nacional da Diversidade Linguística),- órgão ligado ao  Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).  O INDL foi criado pelo Decreto 7.387 de 2010 pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. As duas línguas que ganharem a distinção são o Asurini do (posto do) Trocará e o Guarani Mbyá. As duas linguas do tronco tupi foram inventariadas por meio de projetos-piloto apoiados pelo Iphan que foram executados entre 2008 e 2011.

Até aí tudo bem. Mas onde estão as caras de Foz do Iguaçu e a cara da Unila? Está no final da nota quando diz que  as duas línguas brasileiras receberão certificação oficial em novembro em um  "cerimônia oficial a ser conduzida pelo Ministério da Cultura no Seminário Ibero-Americano da Diversidade Linguística, em Foz do Iguaçu, no Paraná, entre os dias 17 e 20 de novembro". O evento acontecerá em Foz do Iguaçu na Unila. 

Aproveitando, acrescento que o evento trará para Foz do Iguaçu autoridades brasileiras, paraguaias, argentinas e de outros países que lidam em seus territórios com a criação e manutenção de uma política linguística pública. Sim, isso existe! 

Outra novidade da nota é que uma terceira língua acaba de entrar no Inventário Nacional da Diversidade Linguística.  É o "talian" ou italiano vêneto falado por boa parte dos imigrantes italianos que vieram para o Sul do Brasil. Muito de nosso folclore sulista está registrado em "taliá". Quem não conhece a música "Mérica, Merica, Merica" ou pelo menos não já escutou cantada por grupos folclóricos de Cascavel, Medianeira, Matelândia, de colônias do Paraná, Santa Catarina e Rio Grade do Sul?  A música canta às penúrias e dificuldades e diz na primeira estrofe : "Dalla Italia noi siamo partiti, siamo partiti col nostro onore, trentasei giorni di macchina e vapore e nella Merica noi siamo arriva" (Clique a para ouvir a música gaúcho-vèneto e ver tradução e letra)  Veja esta nota sobre o grupo Nostra Gente de Medianeira no meu blog sobre a região Cataratas e Caminhos ao lago. 

Já o Mbyá Guarani que é uma lingua local é falada em Puerto Iguazú e em muitos lugraes de Misiones, no Paraguai e no Brasil inclusive no litoral de vários estados brasileiros.  também reconheceu como Referência Cultural Brasileira o Talian, língua falada por descendentes de imigrantes italianos no sul do país

O INDL é um instrumento de identificação, documentação, reconhecimento e valorização de línguas importantes para a memória dos grupos que formaram a sociedade brasileira. O objetivo é contribuir na promoção da diversidade linguística no Brasil, apoiando iniciativas de preservação promovidas pelas comunidades linguísticas.  A comissão é formada por representantes dos ministérios da Cultura, do Planejamento, da Ciência, Tecnologia e Inovação, Educação e Justiça.





                                                                             

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

E afinal, este monumento é do Niemayer? Matando a saudade de 2006

É um monumento bonito. Qual é a história dele?
O monumento que comemorou a construção da Ponte Internacional da Amizade e a integração comercial, cultural, geo-política com o Paraguai, ganha visibilidade na nova estrutura. Monumentos foram feitos para ter visibilidade. Este andava escondido. As autoridades locais atribuem o desenho do monumento a Oscar Niemayer. Não sei se é verdadeiero ou falso. Alguém tem mais informações?

Nota: Esta postagem é de outubro de 2006 e foi publicada neste antigo blog. A publicação é da época da reforma da estrutura federal da área primária da Ponte da Amizade. Na época se discutia o futuro arrocho das autoridades federais em cima do contrabando. Preocupado com a crise social que poderia cair sobre a cidade, um vereador apesentou um requerimento pedindo â Casa de Leis que pensasse na criação de um Seguro Laranja para aliviar a situação dos auxiliares dos sacoleiros. Mate a saudade de época!   

sexta-feira, 5 de setembro de 2014

Empresa de investimentos de capital passa a gerir a Cataratas do Iguaçu S.A.


No dia 10 de janeiro de 2014, apareceu, do nada, plantada em um dos blogs da revista Istoé dinheiro a nota que aparece acima: Fundo Americano quer gerir as Catartas de Foz do Iguaçu.   
No dia 02 de setembro, saiu a seguinte nota na mesma revista: Cade aprova operação entre Advent e Cataratas do Iguaçu  


No dia 27 de agosto, foi publicado um press release dirigido à imprensa dos negócios a nota acima. em inglês, Advent International to invest in Cataratas do Iguaçu S.A.

Finalmente no dia 05 de setembro Foz do Iguaçu soube do que se tratava. Na prática a empresa Cataratas do Iguaçu S.A, tem novos donos. "Os atuais donos da empresa continuarão como acionistas do negócio com a Advent, incluem as empresas brasileiras SoiferTucumannPattac, Dines, Varese, Vercelli e FSX, todas empresas de participações. Segundo o site Bloomberg Business Week a Advent terá 49.99% da Cataratas do Iguaçu S.A. por meio de duas empresas operadoras. A Brasil Turismo Entretenimento 2014 Participacões SA  e a Brasil Parques Naturais 2014 Participacões SA. 

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Hora no Paraguai incluindo CDE

Hora Mundial: passe o mouse sobre o mapa para escolher região