quinta-feira, 12 de maio de 2016

Municípios contra o fracking na Marcha de Prefeitos em Brasília



Prefeitos são informados do perigo do fraturamento hidráulico de rochas para extrair petróleo
O prefeito de Toledo, Beto Lunitti é um dos mais de cinco mil prefeitos que participaram na XIX  Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios, evento nacional organizado pela Confederação Nacional de Municípios que termina hoje na Capital Federal. No evento,  Lunitti entregou documentos para o presidente da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), Paulo Ziulkoski, acompanhado do prefeito de Cascavel, Edgar Bueno. 
Na oportunidade, Lunitti anunciou que Toledo coordenará uma comissão na CNM para debater o FRACKING, com agenda prevista para junho, para estabelecer um cronograma de estudos técnicos a ser apresentado aos Senadores e Deputados Federais.

O prefeito de Toledo, também participou da palestra da diretora da organização 350.org para o Brasil e América Latina, Nicole Figueiredo de Oliveira. Ele contou a experiência da cidade paranaense na luta contra o FRACKING. Lunitti lembrou que em 2013, a Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) vendeu blocos para exploração de gás de xisto no território do município. A exploração afetaria  100% do território do município.

Na palestra, Nicole Figueiredo de Oliveira, esclareceu os riscos de contaminação para a água e reservas subterrâneas, solo e ar, além de causar terremotos e intensificar as mudanças climática. 
Água que sai da torneira é rica em gás metano  (greenpeace)

Nicole defendeu o ‘desinvestimento’ em combustíveis fósseis e a necessidade de termos como prioridade projetos para geração de energia sustentável, 100% renovável e com justiça climática.  Outro prefeito paranaense que estava na palestra foi Reni Pereira, de Foz do Iguaçu. “A preocupação é grande com as consequências imediatas do FRACKING, mas principalmente com os impactos a longo prazo”, destacou. Para Pereira, podemos produzir energia por várias fontes, “mas para produzir alimentos temos que ter solo fértil e água sem contaminação”.
Um prefeito com o Kit anti-fracking
Segundo a assessoria de imprensa da 350.org, todos os participantes da palestra, além das delegações regionais, receberam um kit com o modelo do projeto de lei proibindo o Fracking, panfletos e folders com informações. Foz do Iguaçu já tem uma lei que proibe o fracking. É a Lei 4265 de 05 de agosto de 2014 que reza no Artigo Primeiro: Fica proibida a exploração do gás de xisto no Município de Foz do Iguaçu pelo método da fratura hidráulica - "Fracking".

Veja a como a questão leilão do fracking em 2013 foi tratada por um partido político (PDT), por profissionais do meio ambiente (ASCEMA), pelo Observatório Social da indústria extrativa (do IBASE) e conheça novo alerta da Coesão Não Fracking Brasil já em 2016. 








Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Hora no Paraguai incluindo CDE

Hora Mundial: passe o mouse sobre o mapa para escolher região