sábado, 14 de dezembro de 2013

Parque Nacional do Iguaçu não atinge 17 objetivos específicos ditados pelo Plano de Manejo

Aproveito o momento para lançar mais lenha na fogueira e divulgar um fato interessante. Aproveito a ocasião, também, para cobrar solução. A informação é a seguinte:  dos 17 objetivos específicos do Parque Nacional do Iguaçu poucos têm sido 100% atingidos. Coloco abaixo os 17 itens que copiei e colei do Encarte 7 do Plano de Manejo do Parque Nacional do Iguaçu  para que você veja e analise tal como está escrito. Em seguida direi o que tenho a dizer. Feliz Natal e Feliz 2014, se possível!

7.1. Objetivos Específicos da Unidade de Conservação

Os objetivos específicos de manejo estabelecidos no planejamento do PNI, de 1981, foram revistos à luz dos novos conhecimentos obtidos sobre ele e a partir de propostas em reunião com pesquisadores que trabalharam na revisão deste PM e reunião interna realizada com os funcionários do Parque.

Considerando os objetivos nacionais de conservação, cabe ao PNI atingir os seguintes objetivos específicos:

1 - Proteger, em estado natural, amostras dos ecossistemas representativos da Floresta Estacional Semidecídua, da Floresta Ombrófila Mista e das Formações Pioneiras de Influência Fluvial, sua biodiversidade e recursos genéticos para o benefício desta e das futuras gerações.

2 - Proteger o quadro natural e a beleza cênica das cataratas do rio Iguaçu, em território brasileiro, mantendo-se inalteradas as suas características naturais.

3 - Proteger ecossistemas lacustres e de outras áreas úmidas do interior do Parque.

4 - Proteger a fauna e flora nativas, de modo especial as espécies endêmicas, raras, em perigo, ameaçadas de extinção e migratórias, tais como o ipê-roxo Tabebuia heptaphylla, a cabreúva Myrocarpus frondosus, o pau-marfim Balfourodendron riedelianum, o jacaré-do-papo-amarelo Caiman latirostris, o macuco Tinamus solitarius, a jacutinga Pipile jacutinga, o gavião-pomba-grande Leucopternis polionota, o guariba Alouatta fusca, a ariranha Pteronura brasiliensis, a lontra Lutra longicaudis, a onça-pintada Panthera onca, a onça-parda Puma concolor e o gato-maracajá Leopardus wiedii, assegurando a estas seu ambiente no interior do Parque.

5 - Proteger o seu caráter de região de transição ambiental natural entre os domínios morfológicos dos Planaltos das Araucárias, do Chaco, Tropical Atlântico e do Cerrado, cuja dinâmica retrocede ao Quaternário.

6 - Assegurar a integridade de seus ecossistemas, que compõem o Centro Paraná (Paraná Center) de endemismo, da região zoogeográfica neotropical de zonas de endemismo.

7 - Proteger os sítios arqueológicos e recuperar a memória da herança histórico-  cultural do Parque.

8 - Propiciar atividades de pesquisa científica, de monitoramento ambiental e de investigação arqueológica condizentes com a categoria de manejo.

9 - Ofertar, ampliar e diversificar as possibilidades de uso público e educação ambiental, levando o visitante e a população lindeira a compreender e a respeitar o valor do Parque como uma área protegida e o valor da conservação ambiental.

10 - Propiciar a manutenção dos recursos hídricos da região e assegurar a integridade da bacia do rio Floriano, tornando-o referência do padrão hidrológico regional.

11  - Proteger o patrimônio geológico do Parque, como eventos do vulcanismo da região e seu papel alimentador do aqüífero Guarani, da formação Serra Geral.

12 - Contribuir com o planejamento e o ordenamento do uso e da ocupação do solo das áreas adjacentes ao Parque .

13 - Estimular o desenvolvimento regional integrado, com base nas práticas de conservação.

14 - Contribuir com o desenvolvimento do ecoturismo regional, integrando os municípios lindeiros ao Parque, através  de recursos compartilhados e outras potencialidades regionais.

15 - Estimular atividades compartilhadas entre o PNI e outras UC argentinas, especialmente o  Parque Nacional del Iguazú, de modo a funcionarem como um sistema único de áreas protegidas, um sistema de áreas protegidas representativo da Floresta Estacional Semidecídua.

16 - Integrar o Parque no contexto do MERCOSUL, ressaltando sua importância nas questões ambientais.

17 - Assegurar a qualificação do PNI como Patrimônio Natural da Humanidade.



Notas e observações minhas sobre os 17 objetivos.

1) Parcialmente cumprido. Há amostras dos ambientes mencionados embora não saibamos por falta de pesquisa e divulgação sobre biodiversidade e recursos genéticos. 2) Parcialmente cumprido. As Cataratas recebem esgotos do Hotel das Cataratas, concessões, banheiros não tendo resolvido o problema do cheiro. Há problema de qualidade da água que inclui manchas de óleo etc. 3) Talvez cumprido – visto que não há acesso público a elas  e tampouco pesquisas e dados. 4) Com exceção do Projeto Carnívoro não se tem notícias de pesquisas sobre as espécies. Os felinos estão em declínio; repteis e pássaros não sabemos  5) Pelo fato de deter o desmatamento este item é um dos melhores em questão de cumprimento. 6) Situação semelhante ao item anterior. 7) Definitivamente não cumprido. Não há noticias de sítios arquelógicos e muito menos de projetos de preservação de memória. Há boatos de que na construção de espaços turísticos tenham aparecido vestígios e sítios, fato não confirmado e muito menos divulgado. 8) Muito parecido com o item anterior. Lamentável a falta de pesquisa ou notícias de sua existência. 9) Parcialmente cumprida quanto à oportunidades de uso público. Educação ambiental limitada à Escola Parque. Passeios turísticos e estruturas não cumprem os temas de discussão propostos no Plano de Manejo para cada área de visitação concessionada. 10) Aparentemente cumprida devido à falta de acesso de público. 11) Não há noticia de atentados contra o patrimônio geológico embora falte divulgação, que deveria ser feita pelo braço da educação ambiental, sobre o que é este patrimônio. 12) Item complexo – mudanças na lei permitiram a diminuição da faixa de proteção ao redor do Parque. 13) Definitivamente não cumprido. 14) Não cumprido. Esforços neste sentido são pequenos com exceção do contato com Foz do Iguaçu  que se mostrou insustentável. Plano de Revitalização do Parque Nacional do Iguaçu mentiroso projetado para beneficiar negócios particulares. Merece investigação quanto a questões de prevaricação, beneficiamento de grupos e enriquecimento de poucos. 15) Embora haja cooperação informal entre os dois parques, o item não foi cumprido. No dia 1 de fevereiro de 2014, Brasil e Argentina – já não se trata dos dois parques   deverão apresentar um documento único ao Comité do Patrimônio Mundial dando evidências de que este item foi cumprido. Parte dele é a falta de um corpo de guarda-parques no Brasil (confira esta postagem). 16) Pouco progresso neste sentido semelhante ao item anterior. 17) Este item não foi cumprido. Como no item 15, o Brasil deverá conversar com a UNESCO / Comitê do Patrimônio em fevereiro* para tratar dos perigos ao Parque Nacional  como Patrimônio Natural que incluem: problemas de uso público, estrada do colono, hidrelétrica do Baixo Iguaçu, guarda-parques entre outros.              

Nesta data, Brasil e Argentina deverão apresentar documento. Reunião será em junho em Doha no Qatar.

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails

Hora no Paraguai incluindo CDE

Hora Mundial: passe o mouse sobre o mapa para escolher região